Raquel Godinho
Raquel Godinho 09 de novembro de 2017 às 20:20

Emergentes voltam ao radar dos analistas

O ano tem sido de ganhos para a generalidade dos mercados accionistas. E os mercados emergentes superam o desempenho dos pares desenvolvidos.

O índice MSCI para os mercados emergentes avança cerca de 30%, desde o início do ano. No mesmo período, o índice MSCI World aprecia cerca de 17%. Uma evolução que deverá manter-se, a julgar pelas estimativas dos bancos de investimento. Goldman Sachs e BlackRock estão optimistas para o rumo dos mercados emergentes e acreditam que há margem para mais ganhos. "Concordamos com o consenso macroeconómico optimista para os emergentes e vemos mais potencial de subida para as acções emergentes", defendem os estrategas do Goldman Sachs. Já a BlackRock acredita que há três factores a suportar os emergentes: as reformas estruturais em vários países, o impacto positivo do crescimento global na recuperação da procura e as políticas de estímulo. A gestora de activos elege até os seus mercados preferidos. São a Índia, a Indonésia, o Brasil e a Argentina. Mas também há riscos, como uma subida acelerada do dólar ou um abrandamento da economia chinesa. Mas, para já, estes não têm sido suficientes para ofuscar o optimismo dos investidores.

 

Jornalista

pub