Alexandre Real
Alexandre Real 18 de abril de 2017 às 20:01

Empreendedorismo ≠ Start-up 

A Snapchat é uma rede social muito conhecida na camada jovem, no entanto, ultimamente mudou de nome e lentamente está a mudar o foco do seu negócio. A Snap criou uns óculos especiais para gravar e postar vídeos.

É usual confundir-se empreendedorismo com criação de empresas. É certo que quem cria um negócio é empreendedor, mas até pode não ser, poderá ser um fundo de investimento ou um sócio de capital que poderá certamente apenas ter interesse em valorizar a empresa a criar e posteriormente vender a sua posição e assim realizar uma mais-valia financeira.

 

Também não é de todo verdade que para sermos considerados empreendedores temos de criar uma empresa. Um exemplo do anteriormente dito são os casos de várias empresas ou instituições públicas que empreendem todos os dias.

 

Mas são as organizações públicas ou privadas que são empreendedoras?

 

Não!

 

Quem empreende são as pessoas e este tipo de empreendedorismo dentro de portas chama-se de intraempreendedorismo. Vejamos vários exemplos.

 

A Talkdesk empresa fundada em 2011 por portugueses foi nomeada recentemente uma das 10 empresas mais empreendedoras dos Estados Unidos. A revista Entrepreneur que atribui estas distinções indicou ainda que a Talkdesk é uma das 360 empresas que acrescentam mais valor mundo. A Talkdesk criou uma tecnologia que em apenas 3 minutos uma empresa pode criar o seu "call center".

 

A Alexion, empresa na área da biofarmacêutica, inovou na comercialização de produtos terapêuticos para doenças raras e graves. Desde 2007 que as ações da Alexion valorizam mais do que as da Apple.

 

A Arm Holdings é a empresa que equipa com os seus microprocessadores a maioria dos smartphones e tablets do mundo.

 

A Snapchat é uma rede social muito conhecida na camada jovem, no entanto, ultimamente mudou de nome e lentamente está a mudar o foco do seu negócio. A Snap criou uns óculos especiais para gravar e postar vídeos.

 

Todas estas organizações caracterizadas pelos bons resultados têm um denominador comum, fomentam o intraempreendedorismo, ou seja, fomentam o empreendedorismo de forma estruturada dentro de portas.

 

Uma cultura de promoção do intraempreendedorismo mantém as equipas motivadas e envolvidas com a organização, além de outros dois impactos fundamentais que todas as empresas anseiam, aumenta em muito o lucro e a longevidade da empresa.

 

Gestor e Professor Universitário

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico 

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub