Rui Barroso
Rui Barroso 27 de julho de 2017 às 20:54

Empresas que fazem o que o CEO diz mas não o que ele faz

Compras gigantes de acções próprias. Tem sido uma das estratégias mais populares dos CEO das cotadas americanas para remunerar os investidores e defender os preços das acções.

Mas, segundo dados coligidos pelo MarketWatch, há CEO que estão a aproveitar os preços elevados das acções para vender os títulos a nível pessoal. Isto apesar de como responsáveis da empresa terem decidido grandes programas de recompras de acções próprias. Alguns dos casos são os líderes da Pepsi, da Intel, do Bank of America e da Mondelez. Nos últimos anos, estas cotadas investiram, no mínimo, mil milhões de dólares a comprar acções próprias. Já os seus CEO fizeram, a título pessoal, vendas superiores a dez milhões de dólares. Segundo Warren Buffett, que ao longo dos anos tem explicado ao mercado a forma de fazer compras de acções próprias de forma a optimizar o valor das empresas, há duas regras para avançar com esses programas. Uma é ter liquidez suficiente no balanço. A outra é as acções negociarem abaixo do valor intrínseco da própria empresa. Os CEO daquelas cotadas, na pele de gestores, sinalizam que acreditam que as acções estejam em desconto. Já na pele de investidores individuais aparentam ter uma posição bem diferente.   

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar