Nuno Garoupa
Nuno Garoupa 26 de abril de 2012 às 00:01

Enorme falta de bom senso

Mais que a ausência de grandes estadistas (porque os grandes estadistas são sempre os do passado), o que faz imenso confusão na vida pública de hoje em dia é uma enorme falta de bom senso.
Mais que a ausência de grandes estadistas (porque os grandes estadistas são sempre os do passado), o que faz imenso confusão na vida pública de hoje em dia é uma enorme falta de bom senso.

Que o Governo enfrentava uma conjuntura muito complicada e necessitava de fazer reformas estruturais impopulares era mais que sabido desde a hora zero. Mas o Governo tinha a vida facilitada; bastava ser sério e claro, bastava ser diferente da política de inverdade e trapalhada dos seis anos anteriores para ter um apoio largamente maioritário na sociedade portuguesa. Mas não. Desde as múltiplas nomeações políticas às medidas avulsas de austeridade depois de anunciar o fim da crise, a derrapagem orçamental que todos adivinhamos, mas continuamente negada pelo Governo, a improvisão constante, e o mais que provável segundo resgate (a queda da Espanha seria a desculpa ideal para ilibar o Governo de responsabilidades). Cheira tudo a mais do mesmo. Um pouco de sentido comum e o Governo teria a compreensão de muitos. Mas a falta de bom senso levou ao crescente isolamento do Governo que já perdeu a cumplicidade da sua base eleitoral. O seguro de Passos Coelho neste momento é Seguro, porque a sua maioria já era.

A credibilidade do Tribunal Constitucional anda desde há anos pelas ruas da amargura. É verdade que não tem pior nome que as restantes instituições políticas e judiciárias portuguesas, mas está muito longe do pedestal quase venerado em que estão, por exemplo, o Supremo Tribunal norte-americano ou o Tribunal Constitucional alemão. Nomeação após nomeação, os dois principais partidos têm sistematicamente arruinado a imagem do dito tribunal. Tinham agora uma possibilidade de emendar a mão, mudar de vida como tanto gostam de dizer quer o líder da maioria, quer o líder da oposição. Mas não. Decidiram, uma vez mais, sujeitar-se aos interesses imediatos da política em detrimento das instituições. Uma falta de bom senso que afunda um pouco mais o moribundo Estado de direito vigente.

O Rei de Espanha anda nisto há quarenta anos. O seu país está submergido na mais grave crise económica e social desde a Guerra Civil. A Família Real está a braços com um genro bandido que fez mais pela República que qualquer republicano nos últimos trinta anos. E decide ir para uma caçada de elefantes no Botswana. Mas desapareceu o bom senso na Casa Real? Pelo menos, diga-se em abono da verdade, que não negou o erro e pediu desculpa ao povo espanhol sem paliativos (coisa que as nossas elites políticas nunca fazem).

O Governo argentino para disfarçar uma incapacidade gritante de fazer seja o que for regressou ao peronismo radical, o mesmo que levou a Argentina do primeiro mundo (o único país da América Latina que alguma vez esteve entre os mais ricos do mundo) ao buraco onde anda metida há cinquenta anos. Dizem que é o novo socialismo; esse mesmo peronismo radical que foi fascismo nos seus primórdios. Os argentinos querem continuar nessa miséria económica em vez de seguir os exemplos de sucesso como o Brasil, o Chile ou a Colômbia. Outra completa falta de bom senso.



Professor de Direito da University of Illinois
nuno.garoupa@gmail.com
A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
paulo 26.04.2012

Nuno Garoupa foi uma das vozes que defendeu a tese de Cavaco de que seria obrigatório esmagar o anterior governo para espiar todos os males de Portugal, inclusive e sobretudo os dos governos de direita. Como não mudou o discurso da lógica fraudulenta da culpabilidade de Sócrates, dos últimos "seis anos e meio", coloca-se agora apenas ao lado do presidente, pois até Passos Coelho parece ter abandonado essa tortuosa teoria.O professor emigrado nos EUA diz que vê as coisas melhor de longe. Eu acredito que sim, mas ver apenas do ponto de vista neoliberal de Milton Friedman e de Wall Street é uma visão deveras infectada pela ala mais liberal dos republicanos no congresso da "terra das oportunidades", os mesmos que apoiaram Bush e a longa intervenção no Iraque e que levaram à bancarrota o Lehman Brothers e que agora querem reaver à pressa o que perderam no casino dos subprime, atropelando tudo e todos. Este discípulo de Cavaco não está satisfeito com o resultado e é normal pois, para além de ser um eurocéptico, já percebeu que a zona euro quer tomar as rédeas do liberalismo desenfreado e que a esquerda lhes pode barrar o caminho para o tão ambicionado "império novo" que grassa na mente do presidente quando aponta o mar como desígnio.

Anónimo 26.04.2012

Os analistas politicos são excelentes depois de saberem os resultados até os analfabetos se dão ao luxo de criticar.
O importante é analisar antes e acertar em cheio...mas isso é dificil e quando fazem qualquer comentário é muito generalista, inconclusivo e pouco claro para assim fugir pela tangente quando tiverem que explicar o porquê de não terem acertado...é como dizia o outro prognosticos? só no fim do jogo.

Nuno Vaz da Silva 26.04.2012

Em todas as situações descritas, excepto talvez a do Rei Juan Carlos, temos o problema do excesso de poder dos grupos de interesse que influenciam as decisões politicas dos governos! Estas democracias são cada vez menos do povo para serem "lobycracias" (certamente o nome não existe mas não me levarão a mal por esta invenção).
Não acredito que a maioria do povo queira que o governo efectue esta ou aquela nomeação e se os argentinos fossem informados dos impactos da medida de nacionalização, não acredito também que a apoiassem.
Não é fácil contrariar grupos de interesse e o bom senso é um valor público mas depende de pessoa para pessoa.
A unica forma de contrariar estas politicas desprovidas desse bom senso seria o exercicio de oposições também desprovidas de interesses privados ou coorporativos. Como isso é uma miragem, resta-nos colocar o dedo nas feridas, como forma de incentivo aos poucos que ainda vão tendo uma réstea de bom senso!

surpreso 26.04.2012

Esta garoupa cheira a fénico.É fácil mandar bocas a partir de Illinois..

ver mais comentários