Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 20 de abril de 2017 às 19:44

Enquanto o diabo dorme

A haver antecipação de ciclo eleitoral será mais por vontade política do próprio António Costa, que pode ser tentado a imitar a líder do governo britânica.

É um facto político: a geringonça venceu o primeiro combate. O diabo não veio, a economia cresce, devagarinho, mas cresce, as previsões do défice público são absolutamente cor-de-rosa, os números do desemprego baixam e as emissões de dívida a curto prazo batem recorde de juros negativos. Tudo parece tranquilo, há sol em Abril e o Algarve voltou a encher nas férias da Páscoa, o Papa canoniza os pastorinhos em Maio e amanhã há um jogo decisivo para o campeonato de futebol.

 

O primeiro-ministro tem razões para estar satisfeito. Neste contexto, o seu lugar está absolutamente seguro. Tudo aponta para que o Governo complete a legislatura. E a haver antecipação de ciclo eleitoral será mais por vontade política do próprio António Costa, que pode ser tentado a imitar a líder do governo britânica, antecipando as eleições para beneficiar com as dificuldades políticas da oposição.

 

Mas a geringonça ainda não matou o diabo. Ele não chegou, porque está a dormir. A dívida pública continua a ser a quarta mais elevada do mundo e o crescimento é ainda muito anémico. Estamos tão habituados à estagnação e a uma média de evolução do PIB próxima do zero desde o início deste século que qualquer pulo é celebrado como um salto olímpico. Os números do desemprego baixam, mas à custa de novo emprego precário e frequentemente mal remunerado.

 

O Estado continua gordo, pesado, ineficiente e a gastar recursos de forma pouco racional, à custa dos contribuintes e da economia. E para complicar há ainda as pontas soltas das imparidades bancárias.

 

Por enquanto dorme, mas sabemos que pode acordar enquanto esfrega um olho. Vivemos um tempo em que tudo é demasiado precário. Basta uma tempestade para voltarmos à barca do inferno.

 

Director-adjunto do Correio da Manhã

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 24.04.2017

Certo!

pub