João Quadros
João Quadros 10 de agosto de 2012 às 12:45

Entrevista com Pierre de Coubertin

Jornal de Negócios: O senhor é mesmo o Barão Pierre de Coubertin? Dizem que o senhor já faleceu.
Jornal de Negócios: O senhor é mesmo o Barão Pierre de Coubertin? Dizem que o senhor já faleceu.
Pierre de Coubertin: Quem disse isso?! Deve ter sido o Marcelo Rebelo de Sousa. Ele é muito precipitado. Sou o Barão, sim senhor. Tem aqui o meu cartão: "Barão Pierre de Coubertin, Grande Impulsionador dos Jogos Olímpicos da Era Moderna."

JN: Que grande ideia que o senhor teve. Como é que aconteceu tudo?
PC: Sabe que eu desde pequeno que gostava de ver aqueles desenhos que vinham nos livros de história. Adorava ver aquelas imagens de pinturas gregas que retratavam homens nus muito musculados. Mas levei uma tareia do meu pai e aquilo passou-me. Depois, quando tinha para aí uns trinta anos, é que me interessei pelos Jogos Olímpicos. Não pensava noutra coisa. Chegava a casa às tantas. Havia dias que nem via a minha mulher. É o chamado vício dos Jogos.

JN: Pois. Eu bem sei que estamos na "silly season", mas acho que, mesmo assim, não se justifica usar trocadilhos nesta entrevista. Sabe, com certeza, que actualmente há muitos atletas olímpicos apanhados no "doping". Acha que era boa ideia substituir o símbolo olímpico por uns garrotes?
PC: Substituir o símbolo olímpico?!!! Substituir os coelhos felpudos lilás entrelaçados?!!! Nunca!

JN: Coelhos felpudos lilás?! Peço desculpa, mas o símbolo olímpico são umas argolas entrelaçadas.
PC: Tem razão. São umas argolas, sim senhor. Já me tinha esquecido que eles chumbaram a minha ideia dos coelhos felpudos.

JN: Como inventor dos J.O., como vê a participação portuguesa?
PC: Num país onde há tanta gente nos supermercados em fato de treino, custa a aceitar resultados tão fracos. Veja-se Cuba: tem um ditador que anda de fato de treino o dia inteiro, mas teve 7 medalhas.

JN: Tivemos prata na canoagem.
PC: Exacto. Depois do fado património imaterial da humanidade, esta é a segunda grande vitória do Carlos do Carmo. Mas se calhar a canoa é feita na Alemanha.

JN: Por acaso é feita numa fábrica de Vila do Conde.
PC: Se a canoa foi feita numa fábrica de Vila do Conde, as crianças estão de parabéns.

JN: Pois. Eu já o avisei, sobre o rumo da entrevista. Voltando aos Jogos Olímpicos. O que pensa de modalidades novas, como o vólei de praia?
PC: Penso mal! Já não bastava o mundialito de futebol de praia, as pranchas à vela, o surf! Parem de trazer coisas para a praia! Porque não patinagem artística de praia, lançamento de corneto ou triplo salto sobre a final do Concurso Construções em Areia do "Diário de Notícias"?!

JN: Para mim, o mais estranho é o arco e flecha no século XXI. Arco e flecha só se justifica se a companhia aérea que transportou os atletas tiver perdido as malas com as espingardas e for obrigada a inventar qualquer coisa para as substituir.
PC: E a marcha?! A marcha, no fundo, são tipos que, aos trinta anos, ainda teimam que hão-de aprender a correr. Um desporto em que uma pessoa parece que vai correr, mas em que isso nunca chega a acontecer! Um desporto que é feito a andar?! Para isso também devia existir os cem metros de natação a boiar.

JN: Mas a marcha já vem do tempo dos gregos...
PC: Também a homossexualidade, e ainda não é desporto olímpico, infelizmente… Mas também lhe digo, pior que fazer esse tipos de modalidades, ou não ganhar medalhas, é ser expulso dos Jogos Olímpicos por comentários racistas no twitter, como foram alguns atletas. É grave, porque um atleta olímpico que faz comentários racistas põe em causa o bonito mito: mente sã em corpo são.

JN: É uma tristeza.
PC: É uma afronta! O senhor jornalista também gosta muito dos Jogos Olímpicos?

JN: Quer dizer... gostar até gosto. O problema é que, de quatro em quatro anos, teimo em assistir àquelas cerimónias de abertura e depois adormeço e quando acordo já os jogos acabaram.
PC: Isso deve ser muito chato. Aposto que gostava de conseguir ficar acordado toda a noite sempre activo e sem sono... e correr mais alto e saltar mais longe que os outros… Eu tenho aqui uns comprimidos que...




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JMBorralho 13.08.2012

O desporto é único! É constituído por muitas modalidades! A marcha é uma modalidade que faz parte do desporto!

Anónimo 11.08.2012

Fotos incríveis de rara beleza.

Anónimo 10.08.2012

este texto está muito mau. digo isto como seu fa de outras intervenções feitas no passado.

Em relação ao primeiro ministro gostava de elogiar as atitudes recententes. e preciso muita coragem para ir de ferias para terreno aberto apos tanta austeridade. Doi-me mas tenho de admirar a atitude do homem, phonix

RuiG 10.08.2012

Numa altura em que nos querem tornar em feios, porcos, e maus, escrever uma coisa destas não é patriotico. Alem do mais, pensar faz dores de cabeça. Escreva qualquer coisa do estilo, "ia um gajo na rua escorregou e caiu". Vai ver que tem muito mais aceitação. Isto faz-me lembrar aquele livro do Aspatin, a pérola e o porco...

ver mais comentários