Isabel Stilwell
Isabel Stilwell 28 de Novembro de 2016 às 20:24

Espelho meu, espelho meu, há alguém mais velho do que eu?

Em alternativa, podíamos lá por uma fotografia de Marcelo Rebelo de Sousa, a melhor prova de que a idade não é empecilho para nada. Aos 68 anos, corre de um lado para o outro, tão imparável como o coelho da Duracell.

Uma destas manhãs tive uma ideia: a partir dos cinquenta anos, vá lá sessenta, devíamos substituir o espelho da casa de banho por um quadro com uma fotografia nossa, daquelas raras que nos retrata a essência num dia em que, por acaso, também fomos ao cabeleireiro e aplicámos uns pozinhos de maquilhagem - de preferência datada de há dez anos. E aí passávamos a lavar os dentes tendo como reflexo não uma cara desgrenhada e cheia de rugas, mas uma aproximação ao nosso Eu imaginário, sorrindo-nos encorajadoramente.

 

Tenho a certeza de que assim envelhecíamos com outra alegria, nesta versão doméstica do "Retrato de Dorian Gray", com a vantagem de não precisarmos nem de vender a alma ao diabo, nem de embarcar no botox, que tantas vezes parece a mesma coisa.

 

Em alternativa, podíamos lá por uma fotografia de Marcelo Rebelo de Sousa, a melhor prova de que a idade não é empecilho para nada. Aos 68 anos, corre de um lado para o outro, tão imparável como o coelho da Duracell, e se aparece no telejornal quatro vezes por dia é porque, de facto, esteve em quatro sítios importantes nas últimas vinte e quatro horas. É hábil, experiente, criativo, põe os neurónios ao serviço do país, e funciona um bocadinho como o Pai Natal para as pessoas com quem se cruza.

 

Num tempo em que endeusamos a juventude, preparando-nos para arrumar as botas logo que nos deixem, e as empresas trocam os profissionais mais velhos por mais novos, acreditando que possuem o dinamismo que falta aos primeiros, o exemplo do Presidente da República é vital.

 

Dizem as estatísticas portuguesas que em 2015 apenas 11% da população com mais de 65 anos estava empregada, e na faixa dos 55 aos 64 anos, não chega aos 50%, por vontade própria ou porque foi rechaçada para o desemprego, e é provável que os outros se queixem de estar arrumados em prateleiras, a fazer horas para a aposentação, desistindo de si próprios, ou vendo os seus superiores hierárquicos a desistir deles. 

 

De uma forma ou de outra, mais tarde ou mais cedo, todos eles a engrossar  o grupo daqueles que se definem como "reformados", como se de um dia para o outro tivessem abandonado a sua identidade - advogados, empresários, professores ou carpinteiros -, para se deixarem conglomerar numa massa anónima e indiferenciada. Cada vez em maior número, e cada vez mais deprimidos e medicados, em lugar de serem mais Marcelo, provando não só que são brilhantes, como necessários, e sobretudo se podem divertir tanto como o Presidente obviamente se diverte.

 

E se só um pode ser PR a cada cinco, ou dez anos, e se as vagas para ocupar o lugar de Papa são ainda mais escassas (embora o Vaticano seja a única "empresa" onde os seniores vão sendo promovidos), o comum dos mortais pode lançar-se em projetos bem mais aliciantes do que ficar no banco de jardim a jogar às cartas, ou em casa a ver televisão.  E a melhor notícia é que aqueles que o fazem têm uma taxa de sucesso impressionante. Um estudo norte-americano recente, que correlacionou a idade em que os empresários lançaram uma start-up com o seu sucesso, concluiu que aqueles que tinham na altura mais de 55 anos possuíam duas vezes mais probabilidades de construir negócios fortes do que os menores de 35 anos. Curiosamente, muitas dessas apostas não eram uma continuação da profissão desempenhada até aí, mas a profissionalização de "hobbies" em que descobriram potencial. Provavelmente tal como Marcelo...

 

Jornalista

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


OS FP / CGA SÃO TODOS LADRÕES

O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


comentários mais recentes
Susana Schmitz Há 1 semana

Muito obrigada pelo seu artigo! É muito importante que as empresas e organizações coloquem a Gestão da Idade nas suas agendas.

alblopes Há 1 semana

Que belo artigo! Que finura! Que ironia!Tanta sabedoria neste artigo da Isabel! Parabéns! Espero que o cata-vento dos afectos tenha tempo para ler ou que alguém lhe leia este texto!

Anónimo Há 1 semana


OS FP / CGA SÃO TODOS LADRÕES

O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


Anónimo Há 1 semana

Aqui vai um exemplo - Lucy Kellaway e Now Teach

https://www.ft.com/content/ed9bc938-acb7-11e6-9cb3-bb8207902122