Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 09 de novembro de 2017 às 18:30

Estado macabro a que o Estado chegou

Dois cidadãos que vão a consultas de rotina num hospital apanham uma infecção e morrem. O surto da legionella teve ainda um episódio mórbido quando o Ministério Público descobriu que os corpos das vítimas não tinham sido autopsiados.

A retirada de corpos de um velório para fazer uma autópsia a duas vítimas de legionella é um episódio macabro. Foi mais uma falha do Estado que causou dor às famílias que perderam pessoas que tiveram o azar de ir um hospital fazer um exame de rotina e acabaram infectados por uma bactéria que lhes retirou a vida.

 

As primeiras vítimas deste surto tinham uma vida normal. Simão Santiago, advogado de 77 anos, que gostava de caçar, teve o supremo azar de ir fazer análises a um hospital com legionella, o mesmo azar que teve Maria da Graça Ribeiro, uma mulher de 77 anos que sofria de diabetes.

Há quem culpe os cortes no investimento público e as cativações por estas mortes. Não creio que o problema seja o de dinheiro. Provavelmente há menos intervenções cirúrgicas, menos actos médicos e menos consultas por causa dos cortes, mas manter a qualidade do ar num hospital e lutar contra as infecções é uma questão fundamental, uma prioridade básica de qualquer administração hospitalar.

 

Não é necessariamente uma questão de dinheiro, é uma questão de responsabilidade, até porque limpar o ar e vigiar a qualidade do ar, deve ser uma rotina constante em qualquer unidade hospitalar.

 

Este triste caso da legionella mostra que até num dos serviços públicos de excelência há sinais preocupantes de desagregação.

 

Tal como na tragédia dos fogos e o abandono das populações nos dias mais infernais, o falhanço do Estado não se deveu exclusivamente à falta de meios financeiros. As cativações podem servir de desculpa, mas a incompetência, a descoordenação dos meios e a incúria de quem cabe proteger as populações não é necessariamente culpa da escassez de meios.

 

Estes tristes casos ofuscam a boas notícias da economia. A actividade económica está a registar um comportamento positivo, o desemprego baixa, os juros da dívida aliviam a pressão sobre as contas públicas, o imobiliário valoriza e o turismo vive o melhor ano de sempre.

 

Mas a nível de ambiente social António Costa tem a sorte de ter domado o Bloco de Esquerda e o PCP. Imagine-se a agitação social que se viveria se a tragédia dos fogos ou a desgraça da legionella tivesse acontecido num governo sem apoio da geringonça. O perigo para o PCP e Bloco é que ao desistirem da sua importante função tribunícia, mais tarde ou mais cedo, alguém vai ocupar esse lugar. Na política, tal como na física, também há horror ao vazio.

 

Saldo positivo: Juros mais baratos 

 

A emissão de juros da dívida pública com taxa inferior a 2% em obrigações com o prazo de dez anos é uma excelente notícia e um alívio na pressão nas contas de um país tão endividado. Portugal parece que já não é olhado como um preocupante paciente do sul da Europa. Os mercados apontam para o lado positivo e dão mais margem de manobra. No entanto, o prémio de risco exigido face à Alemanha ainda é gigantesco e o objectivo devia ser o de baixar esse custo.

 

Saldo negativo: petróleo mais caro 

 

Num país tão dependente das importações energéticas, a subida do preço do petróleo coloca alguma pressão na economia, nas empresas e nos orçamentos familiares. É certo que o crude já esteve bem mais caro do que os patamares atuais, mas se os preços continuarem a subir, vamos assistir a um agravamento de custos. Entretanto com a subida dos preços e dada a carga fiscal, o Fisco continua a ganhar milhões nos combustíveis, dada a pesada factura fiscal sobre a gasolina e gasóleo.

 

Algo completamente diferente: a grande feira de vaidades que faz bem a Lisboa

 

Lisboa ganha com a Webb Summit. Lucra a hotelaria, a restauração e muitas áreas de serviços. Há ainda ganhos de imagem que valorizam a cidade e o país. No mercado europeu de turismo de congressos, Lisboa é um destino de referência e grandes iniciativas cimentam esse estatuto. Mas é também um evento como muitos outros, uma grande feira de vaidades, onde não faltam versões circenses. Quanto a negócios gerados não terão sido proporcionais à gigantesca atenção mediática que o evento despertou em Portugal. 

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

É resultado de Portugal ter atingido o nível mais baixo de investimento público em percentagem do PIB desde 1960, numa altura em que tão grandes transformações nas sociedades, assentes no capital com elevada incorporação de tecnologia que poupa grandemente em factor trabalho elevando a produtividade, a competitividade, a eficiência e a economia de produtos, tarefas e processos, se está a dar em toda a parte. A assinatura de mais este triste descalabro que resulta da protecção cega e desmedida ao flagelo do excedentarismo sindicalizado de carreira, nos bancos, na administração pública e no capitalismo subsidiado e protegido de compadrio, claro está, é a do PS e da sua geringonça das esquerdas unidas.

Anónimo Há 1 semana

CULPADO?
O COSTA, CERTAMENTE!
FOI O GOVERNO QUE MANDOU FAZER AS AUTÓPSIAS?
É QUE O MINISTÉRIO PÚBLICO, QUE EU SAIBA, NÃO ESTÁ SOB TUTELA DO GOVERNO.
É UM ORGÃO DE SOBERANIA.
OU NÃO SERÁ?

Prendam-nos Há 1 semana

Com os pafiosos morreram dezenas com legionella. Cadeia com eles.

Pois Há 1 semana

Recorrente já com os PAF ainda foi pior

ver mais comentários
pub