Jorge Marrão
Jorge Marrão 23 de outubro de 2017 às 20:05

"Fake models" 

Com a terceira intervenção externa, os modelos bancários e económico faliram, mas o sistema mediático e político mantém-se inalterados.

A FRASE...

 

"Não vejo contradição entre devolução de rendimentos e lógica reformista."

 

Ministro da Segurança Social, Negócios, 23 de Outubro de 2017

 

A ANÁLISE...

 

O alinhamento do sistema político, mediático, bancário e económico português foi concretizado, goste-se ou não dos resultados, num período largo da democracia. As tropelias revolucionárias com as nacionalizações terminaram, ainda que tardiamente, e com prejuízo do capitalismo português. Formámos capitalistas sem capital, banqueiros endividados e políticas públicas disparatadas para um país que tinha sido objeto de duas intervenções externas, e que ainda não tinha conseguido digerir na esfera privada o esbulho da revolução socialista.

 

A inflação como remédio encostou os trabalhadores à parede e os pensionistas empobreceram, e os célebres pacotes de Mário Soares foram engolidos, sem que a turba se revoltasse seriamente. A bolsa nacional, os empréstimos externos à banca portuguesa, e os fundos europeus foram um balão de oxigénio, que nos permitiu viver um efeito riqueza sem precedentes, numa sociedade que trazia a pobreza psicológica e real da ruralidade e os necessários baixos salários das indústrias de uma sociedade que se pretendia auto-suficiente e autónoma.

 

 Os media da época perceberam ao que iam. Foram o poder de persuasão que nos empurrava a todos para a abertura ao exterior, e para a nova sociedade de mercado que se estava a constituir. Os de hoje embrulham-se na política de uma economia e finanças que já não existem.

 

Com a terceira intervenção externa, os modelos bancários e económico faliram, mas o sistema mediático e político mantém-se inalterados. Pressentimos a falência destes modelos nas suas mais diversas manifestações, mas não os sabemos explicar. O alinhamento do sistema político e mediático não se está a fazer com o económico e financeiro, é anticiclíco, e carregado, não de "fake news", mas de "fake models". O que o colonialismo fez ao antigo regime poderá agora fazer o excesso de dívida. Quem duvida apenas está a adiar a mágica solução.

 

Artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar