Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 29 de dezembro de 2016 às 20:40

Fantasma de natais passados

Qualquer turista que chegasse a Portugal antes do Natal facilmente concluía que a crise já tinha ido embora, tal era a fúria consumista que se via.

E os dados de levantamentos de dinheiro e pagamentos com cartão divulgados pela SIBS confirmam que as famílias portuguesas abriram os cordões à bolsa. Uma média de gastos de 210 milhões de euros por dia, de 28 de Novembro a 25 de Dezembro é um número que revela uma alteração profunda face aos natais da Troika. Em comparação com idêntico período do pior natal do ajustamento, o natal de 2012 onde se sentiu o brutal aumento de impostos de Vitor Gaspar, as despesas dos portugueses subiram 29%. Em dinheiro face a esses 27 dias de há apenas quatro anos, a diferença é de 1278 milhões de euros.

 

Parece distante esse natal em que as famílias apertaram o cinto e o discurso oficial de viver acima das possibilidades forçou ainda mais o travão dos gastos familiares.

 

Agora o discurso do Governo é diferente. Onde Passos via o copo meio vazio, Costa vê o copo meio cheio. Os funcionários públicos e reformados já se livraram os cortes draconianos, há menos desemprego, apesar da taxa ainda estar na patamar dramático dos dois dígitos. O sentimento das famílias é menos pesado.

 

Mas se à superfície tudo parece melhor e há alguns sinais positivos (o PIB arrebitou no verão e a campanha de marketing do perdão fiscal permite um encaixe, que conjugado com o adiamento de despesas resulta num défice historicamente baixo), na estrutura tudo permanece igual. Ou pior, a despesa da máquina do Estado e o custo da segurança social com as reformas é maior. A dívida pública continua a aumentar para níveis estratosféricos e está ainda por resolver a recapitalização da banca.

 

O icebergue que afundou Portugal em 2011 continua na rota de navegação. Basta uma tempestade para novo choque. Um País anémico que depende de apenas uma nota de uma agência de rating e da boa vontade da torneira do BCE, não está livre de regressar ao fantasma de um natal passado.

 

Director-adjunto do Correio da Manhã

A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 01.01.2017

Este bronco do Armando é o director-adjunto do Correio da Manhã!... Está tudo dito! serão precisas mais explicações?

Anónimo 31.12.2016

E pq não. 90% dos meus colegas da FP foram ás compras em força. Somos mais de 1Milhão.
E as reservas para o Fim de Ano ? As mais cara e pacotes para o estrangeiro...ESTÃO ESGOTADOS.

surpreso1 30.12.2016

Quem é este bronco do Armando?

Anónimo 30.12.2016

Alguém escreveu aqui que se vive melhor, deve ser alguém doido, os rendimentos são os mesmo e houve aumento impostos, onde está a melhoria ? no sorriso do macaco indiano!esse aldrabão

ver mais comentários