Miguel Varela
Miguel Varela 12 de Outubro de 2016 às 19:45

"Fat tax" e "Flat Tax": simplificar e reduzir custos

A respeito do OE para 2017, surgiu a ideia de criar um imposto indirecto sobre os produtos mais prejudiciais à saúde. A ideia não é original e apesar de ser um bom princípio, os resultados em termos de receita fiscal não foram estudados.

Os impostos directos, que recaem sobre o rendimento das famílias e das empresas, já atingiu o máximo da pressão fiscal. Os impostos directos em Portugal já representam, seu conjunto, os maiores da Europa.

 

Nunca foi tão pertinente nos círculos de discussão económica, debater a hipótese de uniformização fiscal na Europa, em especial na Zona Euro. A gestão de uma moeda única pressupõe economias equivalentes e instrumentos fiscais equiparados, uma vez que a política monetária não pode ter uma actuação independente da política orçamental, apesar das autonomias das respectivas autoridades - os governos e os bancos centrais. Aliás, a falta de conjugação e integração destas é uma das razões da origem da crise actual na Europa e também da falta de soluções eficazes para sair da mesma. Em Portugal, habituámo-nos a viver em sistemas complexos desenhados por burocratas que desejavam tornar-se mediáticos especialistas como sendo os únicos a interpretar os sistemas que eles próprios criavam.

 

Simplificar poupa custos e tem ganhos de efectividade em todos os domínios da gestão, por isso, sou apologista do conceito de "flat tax" no sistema fiscal português no que respeita ao IRS. A "flat tax" é um sistema tributário em que uma taxa única é aplicada ao rendimento sem a existência de deduções ou abatimentos. Sendo uma percentagem, ou valor relativo, o valor colectável é proporcional ao montante do rendimento, dispensando a entrega de declarações anuais. Os salários e as pensões poderiam ser tributados com retenção na fonte através de uma taxa de valor percentual único, independentemente do valor do ordenado/pensão, evitando fraudes, fugas, imprecisões, erros e sobretudo poupando tempo e gastos a uma imensa máquina fiscal que tem de processar e apurar valores que não fazem sentido nenhum (parcelas a abater, deduções específicas, matérias colectáveis, taxas de escalão, taxas médias, benefícios fiscais, etc.) e que até são actualmente limitados.

 

Todos os rendimentos de trabalho acima do ordenado mínimo nacional seriam taxados com um valor único (como acontece com as contribuições para a Segurança Social ou como acontece no IRC, em que as empresas são tributadas pelo lucro numa taxa única independentemente do valor), provando a existência da mais pura equidade no sistema, o que não acontece com as taxas progressivas. A AT tem custos de tempo, de afectação de recursos e acaba por ser a sua própria armadilha em termos de fiscalização e inspecção. A Lituânia, a Estónia, a República Checa, a Eslováquia, a Rússia e a Hungria são exemplos deste sistema e assistiram a um aumento das receitas do Estado a par com aumento do ritmo do crescimento do PIB e do emprego, bem como uma redução drástica na fraude e evasão fiscal. Também o Canadá, a Austrália ou a Nova Zelândia estudam a aplicação deste sistema fiscal.

 

No que toca à "saúde" do contribuinte, melhor do que a "fat tax", seria mesmo cortar nas "gorduras" do Estado. Não me parece ser necessária tanta "criatividade fiscal", apenas vontade, visão e coragem, para se cortar na despesa pública, que continua a aumentar.

 

Diretor do ISG | Business & Economics School

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
5640533 Há 3 semanas

Eliminação do IVA dos legumes e frutas não seria também positiva para a nossa saúde?

AB Há 3 semanas

Muito, muito bem... em conversas informais com amigos falo desta solução faz anos