Fernando  Sobral
Fernando Sobral 30 de Novembro de 2016 às 09:36

Fidel Castro desapareceu? E agora?

Fidel Castro morreu. Mas ele parece continuar por aí como um fantasma. Basta ver o que aconteceu no Canadá: o primeiro-ministro Justin Trudeau cancelou a sua ida às cerimónias fúnebres porque terá "exagerado" na forma simpática como falou de Fidel.

No Globe and Mail, Margaret Wente é implacável com Trudeau: "O afecto de Trudeau por um velho ditador coloca-o na companhia de Vladimir Putin e de Bashar al-Assad. (…) Onde é que Justin Trudeau foi buscar a sua afeição por Fidel? Claramente herdou-a do seu pai. Pierre Trudeau tinha um certo gosto por ditadores socialistas, de que Fidel Castro era apenas um. Ele foi um honorário carregador do caixão no funeral de Pierre, o que também marcou um ponto de viragem na vida de Justin. O seu tributo ao pai foi a sua primeira aparição de adulto numa cerimónia pública." Emoções à parte, fala-se agora do futuro de Cuba. Roger Cohen, no New York Times, escreve: "Fidel, o libertador romântico, fez da sua ilha uma prisão, cheia de pessoas inertes no meio da pobreza engendrada por um sistema de pesadelo. As suas consideráveis realizações na educação, saúde e sanidade básica não mascaram o seu falhanço fundamental. Admiro o Presidente Obama por ter restabelecido as relações diplomáticas com Cuba que o levaram a Havana. (…) Mas deploro a sua frágil declaração sobre a morte de Fidel." Ninguém quer elogiar a mais ou a menos.

E Donald Trump? Eugene Robinson, no Washington Post, olha para o futuro: "Fidel Castro morreu. Agora o sistema repressivo que se instalou em Cuba pode também murchar e morrer, a menos que Trump volte às políticas da Guerra Fria e dê à ditadura cubana uma nova vida. (…) Se Trump voltar a uma posição de uns EUA implacáveis e hostis, desapontará milhões de cubanos enquanto fortalece a mão de apenas um: Raúl Castro, que será feliz de poder ser David contra o Golias Trump."


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rui Alegria Há 1 semana

Um ditador evita de dar educação , saúde e cultura ao seu povo ou não se recordam do que se passou em Portugal com esse sim ditador Salazar?

Anónimo Há 1 semana

Another one bites the dust! Bye bye, dictator. Good ridance. Althoug the nightmare is not over yet, slowly the freedom will come and Cuban people will soon enjoy it.