Rui  Neves
Rui Neves 15 de maio de 2012 às 23:30

Garganta a mais, Governo a menos?

Os Senhores dos Anéis não brincam em serviço. "Tirem as patas de cima", proclamam, nos bastidores, angolanos e chineses. E nós obedecemos. Entregues as jóias, os dedos ficam a abanar. Sem estratégia, sem dinheiro e sem orgulho, vamos perdendo a nossa identidade.
Os Senhores dos Anéis não brincam em serviço. "Tirem as patas de cima", proclamam, nos bastidores, angolanos e chineses. E nós obedecemos. Entregues as jóias, os dedos ficam a abanar. Sem estratégia, sem dinheiro e sem orgulho, vamos perdendo a nossa identidade. Mas há limites a partir dos quais Portugal deixa de ser Portugal. Responsáveis pelo estado económico-financeiro a que este País chegou, não podemos – não devemos – deixar para os nossos filhos a mais pesada das heranças: um território ferido de morte.

Tanta conversa para quê? Vamos ao ponto: segundo a edição de ontem do "Público", o Comité do Património da UNESCO vai exigir, no final do próximo mês, a paragem imediata das obras de construção da Barragem de Foz Tua, solicitar uma missão conjunta de análise à situação da área de paisagem classificada do Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial e remeter um relatório até ao final de Janeiro próximo. Alerta vermelho: em regra, todas as propostas são aprovadas.

A construção da obra tem um "impacto irreversível e ameaça os valores" que determinaram a classificação do Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial, considera a UNESCO, que acusa as autoridades portuguesas de deslealdade, pois "o projecto da barragem – embora previsto no Plano Energético Nacional de 1989 e no Plano de Bacia Hidrográfica do Douro de 1999 – nunca foi mencionado no dossiê de candidatura". Ou seja, também nesta matéria, os sucessivos governos foram garotos: omitiram ou esconderam os problemas, deixando para os vindouros a resolução dos mesmos.

Curiosamente, a chefe da Estrutura de Missão do Douro, que devia ter como missão primeira "manter o valor" que levou à classificação de Património Mundial tão extraordinária paisagem vitícola, mostra-se agora "muito preocupada" com a posição da UNESCO. Mas logo acrescentou que o Douro Vinhateiro "não é nenhum fóssil", acreditando "que é possível compatibilizar as coisas". Mais valia estar calada. O tempo das compatibilizações já passou. Não foi a UNESCO que reconheceu, por decreto universal, o reconhecimento desta paisagem como Património da Humanidade – fomos nós que solicitámos tão distinta classificação, pelo que só temos que cumprir as regras.

É claro que o Estado está numa péssima situação para decidir pela paragem das obras. Por todas as razões financeiras e mais uma: o poder na EDP agora fala mandarim. E, não tenhamos dúvidas, a China Three Gorges está-se nas tintas para o Douro Vinhateiro. Lembre-se que esta empresa foi fundada pelo governo chinês para construir e gerir o maior complexo hidroeléctrico do mundo – a barragem das Três Gargantas, no rio Yangtze, tendo retirado do local 1,3 milhões de pessoas e deixado debaixo de água uma gigantesca paleta de sítios de interesse arqueológico. Isto só foi possível, só deverá ser possível fazer, num regime ditatorial. Mas aqui ainda se vive em democracia. Portuguesa, pois então. Será que o Governo é Governo só de garganta?


* Coordenador do Negócios Porto

Visto por dentro é um espaço de opinião de jornalistas do Negócios

A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Macedo de Barros 22.05.2012

Pura ilusão, meu caro, aqui existe também ditadura da partidária, em alternância! E claro que a ditadura déspota chinesa quer é vender mais o seu vinho...!

AJRS 17.05.2012

Anonimo [Leitor não registado] 16 Maio 2012 - 15:39

Não são só esses, são todos mesmo. Com assento parlamentar ou não todos eles tentam se governar através da politica.
Peço desculpa se ofendo alguém mas esta é a minha opinião.

JMBorralho 17.05.2012

O que teem os chineses a ver com uma barragem que está revista construir à dezenas de anos? Pobre e mal agradecido.

Anónimo 16.05.2012

Eu cá por mim já acredito pouco nos jornalistas. São tendenciosos, informam mal e estão mal informados.
E nós, os TUGAs, continuamos a achar que os partidos são como os Clubes e por alguma razão tentamos defender coisa que são indefensáveis só porque achamos que pertencer a grupo partidário é como viver em ditadura. Não analisamos, não pensamos... vai de cassete.
O Legru, caso os dados apresentados sejam veridicos, está cheio de razão. Se o impacto for mínimo sou pela barragem se não for sou contra.
Mas como sempre, e em 99% das notícias, acabo por não saber qual é a verdade...

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub