Fernando  Sobral
Fernando Sobral 26 de dezembro de 2016 às 17:55

George e a economia da pop

A música pop nunca foi inocente. Esteve sempre apaixonada pelo pecado. Fosse ele o sexo, as drogas ou o consumo económico desenfreado. Foi muitas vezes o reflexo de uma era ou o interruptor de mutações sociais e culturais que transformaram as sociedades.

A morte de George Michael, herói e besta destes tempos, ecoa estas décadas de transformações rápidas como a velocidade da luz. George Michael não era santo nem pecador: era um cantor brilhante e um exímio letrista sobre a idade do desejo. Foi sobre isso que sempre cantou. 


Percebe-se porquê: George Michael irrompeu com os Wham nos tempos de Thatcher e de Reagan. A sua imagem era a típica desses anos em que o sucesso individual passou a ser glorificado, em que o início da globalização tornou fácil o êxito de um cantor em qualquer parte do mundo, em que o dinheiro jorrava de Wall Street ou da indústria discográfica como se não houvesse amanhã. Cantando o desejo, naufragando na luxúria, George Michael foi as duas faces desse mundo que criámos.

Ele viveu uma das grandes transformações da então imponente indústria discográfica: nesses anos assistiu-se à integração horizontal das discográficas com as multinacionais de media. Foi a idade do vídeo pop, da chegada do CD, dos lucros dos direitos de autor e do "publishing". A música foi pioneira das transformações que sucederiam depois em toda a economia global.


George Michael representou a era em que a juventude era a vanguarda do consumo de massas, iniciada nos anos de 1960 com a chegada do 45rpm e 33rpm que destronaram os frágeis discos de 78rpm e em que os rádios-transistores facilitaram o sucesso de grupos como os Beatles. A tecnologia ligava-se à cultura popular para dinamizar uma nova economia baseada no consumo extremo e no prazer absoluto.

George Michael foi uma das vozes de uma jovem Grã-Bretanha que se queria libertar dos anos cinzentos da depressão económica dos anos 60. A nova era global não apenas acelerou transacções financeiras: fez de cantores como ele heróis sem fronteiras. 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 27.12.2016

George Michael foi um GÉNIO!
GM era como o vinho do Porto: quanto mais velho melhor!!
Provavelmente o melhor compositor das ultimas décadas! Embora alguns o tentem rotular ao vira o disco e toca o mesmo "Last Cristhmas" e colar eternamente aos tempos de sex-symbol teen dos Wham!

pub
pub
pub