Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 22 de outubro de 2017 às 19:15

Goldman Sachs vende "researchs" a preço de saldo 

A nova regulação dos mercados financeiros chega no início de 2018 e já está a agitar a actividade das firmas de investimento.

Depois de várias gestoras de activos terem vindo garantir que irão absorver os custos associados às notas de análise externa, continuando a disponibilizar este serviço de forma gratuita aos seus clientes, o Goldman Sachs veio colocar o preço dos "researchs" que produz a preço de saldo. O gigante de Wall Street está a oferecer as suas análises com descontos de 50%, segundo a informação divulgada pela Bloomberg. Firmas com 25 utilizadores podem pagar actualmente 10 mil dólares por um pacote de "research" de crédito, "research" ocasionais de acções e acesso a "conference calls" com analistas. Agora o gigante de Wall Street está a disponibilizar este serviço a 5 mil dólares, ou 200 dólares por ano para cada um dos 25 utilizadores, por relatórios sobre economia, matérias-primas, mercados globais e estratégia de crédito. É uma tentativa de segurar os clientes, após a entrada em vigor da DMIF II, que obriga a que os custos dos "researchs" sejam suportados pelos investidores. Está assim aberta a época de saldos de meia-estação. Basta saber se as promoções são suficientes para aliciar os clientes.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar