Fernando  Sobral
Fernando Sobral 04 de julho de 2017 às 00:01

Gru e os maldispostos

A fava calhou a Azeredo Lopes, um ministro que parece julgar que o transporte de tropas é ainda feito em Chaimites e que os militares são sucedâneos de Rambo.

Num dos filmes de Gru, o maldisposto, ele anuncia que roubou a Estátua da Liberdade. O delírio dos Mínimos esfria quando Gru esclarece que foi a Estátua da Liberdade mais pequena, a de Las Vegas. Há maldades maiores do que as outras. Por estes dias, quando o país está maldisposto por causa dos resultados trágicos do incêndio de Pedrógão Grande e do roubo de material militar de Tancos, fica-se com a sensação que regressámos ao verdadeiro Portugal. Aquele em que os problemas nunca são resolvidos. Apenas são chutados para a frente ou são varridos para debaixo da cama. Um dia destes, todos o sabiam, o contínuo desinvestimento nas Forças Armadas portuguesas iria dar asneira. A fava calhou a Azeredo Lopes, um ministro que parece julgar que o transporte de tropas é ainda feito em Chaimites e que os militares são sucedâneos de Rambo. O coro de Mínimos que o vaiam é compreensível. A gestão política do caso é um desastre: à falta de explicações claras juntou-se agora o extemporâneo afastamento de cinco comandantes militares, dentro da lógica que o culpado é sempre o contabilista, a mulher da limpeza ou o nadador-salvador. Não são.

 

Por detrás das participações militares portuguesas em operações melindrosas no estrangeiro, esconde-se a falta de investimento humano e material nas Forças Armadas desde há décadas. Basta recuar no tempo. Alguém se lembra do processo surreal de substituir as G3? E que dizer do processo maquiavélico de dotar a marinha de lanchas rápidas de patrulha para as 200 milhas costeiras? E que dizer sobre o estado dos F-16? Para já não falar da falta de militares. Grita-se sobre a inexistência de vigilância electrónica. Mas alguém questiona porque não há militares nos postos fixos de guarda? O que se passou em Tancos era um desfecho anunciado. Fruto da incompetência política (porque a austeridade só se aplica aos últimos anos como desculpa) de sucessivos governos. Tancos foi a nossa carga da brigada ligeira. Mostrou a fragilidade deste país que deixa sempre para amanhã o que pode fazer hoje.

 

Grande repórter

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Quando foi o azar do BES o Farsola estava de férias na manta rota. O Paulinho estava escondido e a Marilu a pedir à Cristas para assinar de cruz o expediente que a Cristas se deu ao trabalho de não ler. Parece que o Estado está falhado há muito tempo. Que é feito do Farsola enguliu algum suicidio?

Atento! Há 2 semanas

Abraços e beijinhos para todos que EU ESTOU EM FÉRIAS EM PALMA DE MAIORCA...
Chi Chi Chi...