Manuel Esteves
Manuel Esteves 13 de Novembro de 2016 às 16:28

Habituem-se: americanos concordam com Trump 

Desde que o mundo foi surpreendido com a vitória de Donald Trump sucedem-se as análises sobre as razões da vitória. Muitos são os que tratam o povo norte-americano com condescendência, isentando-o das responsabilidades desta escolha.

Os eleitores - defendem - votaram em Trump porque estão revoltados com a crescente desigualdade e falta de oportunidades e descrentes do sistema político. 

 

Não nego a importância destes factores, mas recuso dar-lhes essa importância. Primeiro porque não é verdade que tenham sido os pobres a eleger Trump. Ainda que possam ter sido decisivos em estados industriais decisivos, a sondagem à boca da urna da CNN, por exemplo, mostra que Clinton ganhou claramente nos segmentos de menores rendimentos. Por outro lado, Trump não teve uma votação espectacular, recolheu até menos votos do que os dois últimos candidatos republicanos. 

 

É importante que nos mentalizemos que os norte-americanos votaram massivamente em Trump porque massivamente concordam com as suas propostas. Porque uma parte considerável dos seus eleitores é branca e suficientemente racista para não se incomodar com ataques racistas de um candidato; porque muitos dos eleitores do Partido Republicano são cristãos fundamentalistas que defendem a proibição do aborto e vêem a homossexualidade como uma doença; porque muitos olham para o programa de saúde de Obama como uma intromissão do Estado central nas suas vidas; porque odeiam impostos e não percebem ou não querem perceber para que servem; e porque têm uma enorme admiração pelo percurso de vida de Trump, e pelo seu mundo, e sonham ser como ele. 

 

Estas duas Américas sempre existiram, mas as diferenças agudizaram-se nos últimos anos. A outra América, que agora está de luto, ganhou com Obama, um candidato carismático que ousou prometer o que ninguém prometera antes. Agora foi a vez de Trump, que prometeu o que ninguém prometera até agora. Obama não cumpriu. E Trump, cumprirá?

 

Editor de Economia

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ciifrão Há 2 semanas

Concordo com a análise, direta ao assunto sem subterfúgios rebuscados.

Anónimo Há 2 semanas

Os políticos e comentadores "poussies", na expressão de Clint Eastwood, andam um pouco apardalados com a elieição do Presidente Trump.

5640533 Há 2 semanas

Obama umpriu. Fez tudo que o Congresso o deixou fazer.

JoseAlexandre Há 2 semanas

Políticos e imprensa Inglesa estão entusiasmados com a nomeação de Trump, uma oportunidade para expandir os laços comerciais e militares. Como is Ingleses não querem a formação de um exercito Europeu e NATO precisa de ser reformada, percebe-se a razão. Vamos ver a quem sai a fava.

ver mais comentários