Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 24 de outubro de 2017 às 20:18

Investidores calmos com a mão de Draghi por baixo

A crise na Catalunha está longe de estar resolvida, com o Governo de Mariano Rajoy e a Generalitat sem darem sinal de ceder.

Depois de Rajoy ter anunciado a intenção de activar o artigo constitucional que suspende a autonomia da Catalunha, a Generalitat equaciona agora avançar com a convocação de eleições antecipadas para tentar impedir que o artigo 155 da Constituição produza os efeitos pretendidos pelo executivo espanhol. Apesar deste conflito entre o governo central e o governo autonómico, as taxas de juro das obrigações espanholas continuam sem reflectir a crise catalã. Tal como escreve Marcus Ashworth, num artigo de opinião publicado na Bloomberg, os investidores têm admiravelmente evitado o pânico, o que poderia fazer disparar as "yields" espanholas, algo que não aconteceu. A taxa de juro a dez anos de Espanha encerrou a última sessão ligeiramente acima de 1,65%. Mas, tal como lembra o colunista da Bloomberg, mais do que o sangue-frio dos investidores, a razão para a tranquilidade no mercado é justificada pela intervenção do BCE no mercado, que continua a comprar obrigações. E, mesmo que Mario Draghi anuncie esta quinta-feira a redução das compras, enquanto continuar a segurar os juros do euro não há razão para alarme.

 

Jornalista

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 3 semanas

Na Espanha vive-se o suspanse que se viveu no passado recente entre America e o Norte Coreia.Todos sabem onde mora o gatilho da bomba mas ninguem arrisca aproximar-se dele,ainda bem.