Fernando  Sobral
Fernando Sobral 05 de julho de 2017 às 18:58

Iogurtes fora de prazo

Costa sabe que é impossível manter Azeredo Lopes ou Constança Urbano de Sousa. São iogurtes fora de prazo. Mas vai resistir.

Quando um dia um assessor aconselhou Winston Churchill a ajoelhar-se e a colocar um ouvido no chão para ouvir o que dizia a opinião pública, o estadista respondeu que era duvidoso que os cidadãos gostassem de ver políticos numa posição tão imprópria. Nesse tempo não existiam "focus groups" para se saber como um ministro deveria reagir a uma crise. Um político guiava-se pelo instinto. É claro que nem todos os políticos da actualidade têm sensibilidade para escutar o clamor das ruas. Muitos são duros de ouvido e trôpegos a agir. Mas, em Portugal, depois destas semanas de dislates e de dança das cadeiras para ver quem ficava com as culpas dos raios e coriscos, foi preciso que alguém pusesse ordem no caos institucional. Durante uns dias, especialmente após o incrível desaparecimento de material bélico de Tancos, as entidades superiores (a começar pelo ministro da Defesa) decidiram rodar uma nova versão do filme "A Fuga das Galinhas". Não teve tanta piada como o original. Apesar de ter sido mais desordenada.

 

Foi preciso Marcelo Rebelo de Sousa demonstrar sentido de Estado. Escutando o ruído das ruas, o Presidente da República tocou a reunir. E colocou o ministro da Defesa como figura de decoração. Algo que Azeredo Lopes é, neste momento. Só falta chegar outro político que sente a direcção do vento, como é António Costa, para que o desafinado Governo marche de forma organizada. Sabe-se que o que aconteceu em Tancos é a ponta do "iceberg" do que é a situação material e humana das Forças Armadas. Algo que é impossível de continuar a esconder com a típica política de cumplicidades do "centrão". Tal como sucede na saúde ou na educação. Costa sabe que é impossível manter Azeredo Lopes ou Constança Urbano de Sousa. São iogurtes fora de prazo. Mas vai resistir. Porque o problema maior não são ministros débeis que podem cair como fruta madura. É tomar decisões que podem doer a muita gente acomodada. E tornar as Forças Armadas, as comunicações ou a protecção civil operacionais.

 

Grande repórter

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.07.2017

Tancos, Brigada de reacção Rápida, militares operacionais preparados para combate em vários cenários de guerra.
De certeza que poderiam estabelecer uma escala para que as rondas fossem mais frequentes e com armas com carregadores municiados, prontas a fazer fogo caso fosse necessário.
Como fazem lá fora? Contratam uma "securitas" para tomar conta do armamento enquanto dormem? Mas que tropa fandanga é esta?!

comentários mais recentes
Anónimo 06.07.2017

Tancos, Brigada de reacção Rápida, militares operacionais preparados para combate em vários cenários de guerra.
De certeza que poderiam estabelecer uma escala para que as rondas fossem mais frequentes e com armas com carregadores municiados, prontas a fazer fogo caso fosse necessário.
Como fazem lá fora? Contratam uma "securitas" para tomar conta do armamento enquanto dormem? Mas que tropa fandanga é esta?!