Fernando  Sobral
Fernando Sobral 21 de novembro de 2017 às 09:32

Kim Kardashian, Trump e o colapso da coligação alemã

Não é hábito ver Kim Kardashian, uma das "socialites" mais conhecidas do mundo, fazer comentários políticos.
Mas, entre muita conversa cor-de-rosa, é isso que ela faz no El País/Brasil: "Trump faz com que cada dia tenhamos piores notícias do que no anterior." Diz mais: "Quando alguém chega ao poder, você espera que tome as melhores decisões para o país e para as pessoas. E quando vê que isso não acontece, é devastador. Hoje, seria uma história diferente. Não sou seguidora do Presidente. Há muito caos no mundo, e dá muito medo viver numa época em que não nos sentimos seguros e na qual o Presidente de nosso país faz com que cada dia tenhamos piores notícias do que no anterior." As coisas não correm bem para Trump.

Do outro lado do Atlântico, a notícia é o colapso das negociações entre a CDU, o FDP e os Verdes para a formação de uma coligação. O FDP saltou da carroça e diz que não há esperança de os partidos chegarem a acordo. No Politico, Ryan Heath escreve: "Antes do colapso os sociais-democratas do SPD reiteraram que não renovariam a chamada grande coligação com a CDU de Angela Merkel. Se o SPD não mudar de opinião, novas eleições serão quase inevitáveis. (…) A questão é: irá Merkel sobreviver?" Seja como for, a Alemanha não deverá ter um Governo estável durante meses, o que o deixa fragilizado para fazer pressões na UE ou mesmo para acções fortes de política externa. O líder do FDP, Christian Lindner, foi muito contundente: "É melhor não governar do que governar mal." As questões dos refugiados e da política ambiental parecem ter contaminado as discussões. Já Merkel referiu: "Farei tudo o que puder para assegurar que este país será bem dirigido durante estas difíceis semanas." Os negociadores dos Verdes disseram que foi o FDP a sabotar as negociações e nisso foi acompanhado pelo líder da facção bávara da CDU, a CSU, que disse que um acordo teria sido possível. Mas não foi.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub