Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 03 de Novembro de 2016 às 19:20

Lições muito caras

Dizem que de boas intenções está o inferno cheio. E quando um Governo se envolve em negócios privados, mesmo com o objectivo mais altruísta, o resultado costuma ser ruinoso.

Infelizmente abundam exemplos destas intervenções desastradas, que custam caro à economia e aos contribuintes. A lição mais cara é o casamento forçado que levou à fusão da PT com a Oi e que provocou a destruição de uma grande. Na autópsia do descalabro do império Espírito Santo não faltam exemplos de concubinato perigoso entre o grupo de Ricardo Espírito Santo e o poder político.

 

José Sócrates, que até chegar ao poder nem era aliado de Ricardo Salgado, acabou por fazer uma parceria informal com o patrão do então maior grupo financeiro privado. Os custos totais desta associação ainda estão por apurar e as facturas vão chegar nos próximos anos. Algumas destas decisões estão sob investigação da Operação Marquês, pois há a suspeita de algumas decisões, como a fusão forçada da PT com a Oi terem sido alavancadas por subornos pornográficos aos decisores políticos.

 

José Sócrates que terá descoberto Max Weber nos anos 80, se leu a obra deste autor fundamental, aplicou uma versão distorcida do espírito capitalista. Outro icebergue que exemplifica o desastre titânico da condução de negócios privados é o crédito à La Seda. Nos empréstimos da Caixa, da AICEP e de outros bancos portugueses houve o impulso político de Sócrates e do seu ministro da Economia, Manuel Pinho. São muitos milhões enterrados num elefante catalão que investiu no complexo petroquímico de Sines.

 

Os contribuintes e os accionistas dos bancos vão pagar. Os políticos só respondem por eventuais ilícitos criminais provados, enquanto uma amnésia de irresponsabilidade amnistia as decisões dos gestores que atribuíram os créditos ruinosos. É mais uma lição cara, mas irá este país aprender alguma coisa?

 

Director-adjunto do Correio da Manhã

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 dia

E as obrigações PT/Oi? Ninguém fala dessa geringonça? Não convém... mais uns lesados... agora são os Lesados da PT/Oi

Anónimo Há 3 dias

Já se sabe, que na óptica da redacção do Correio da Manhã, as desgraças passada e futuras (que ocorreram e estão para ocorrer) deste país, são da responsabilidade de José Sócrates. Os outros são todos vítimas.

5640533 Há 4 dias

Não, este pais não vai aprender nada. É preciso cérebro e honestidade. Político português não tem.