Manuela Arcanjo
Manuela Arcanjo 02 de novembro de 2017 às 20:49

Linhas vermelhas

Ouvir, sem sair da sala, o tom e as ameaças de um antiquíssimo presidente da Associação Nacional de Bombeiros é um mau sinal. O PM é forte em conter as emoções, mas deixa de o ser ao não fixar qualquer linha vermelha.

Os bons resultados obtidos em diversos indicadores inebriaram o Governo que não teve a perceção de que tanta alegria ia ser cobrada pelos seus parceiros de apoio parlamentar e, claro, pelas dezenas de entidades (incluindo sindicatos) que renascem e ameaçam os governos sem maioria absoluta, mas hibernam em períodos de duro resgate financeiro.

 

Após as eleições autárquicas, diversos especialistas defenderam que os maus resultados do BE e do PCP seriam favoráveis ao Governo na mesa das negociações, permitindo-lhe impor algumas linhas vermelhas que existem em qualquer processo negocial. Pelo contrário, as negociações até foram aprofundadas. Não reconheço o argumento segundo o qual o primeiro-ministro (PM) quis dar a mão aos derrotados. Defendo, sim, que tal também interessa ao próprio PS: largas centenas de milhões de euros destinam-se a grupos específicos que poderão retribuir a generosidade nas próximas eleições legislativas.

 

O ministro das Finanças (MF) usou corretamente os conceitos para classificar a política orçamental incorporada neste OE: de facto, é restritiva (porque reduz o défice público) e contracíclica (porque a melhoria orçamental se faz num ano de crescimento económico). Mas, ao contrário do que defende o MF, é eleitoralista. Quando se lê o relatório que acompanha o OE apenas a partir das medidas identificadas para a despesa e da redução da tributação em sede de IRS, podemos ficar com a ideia de que Portugal vai entrar num período de crescimento pujante. Ora, este adjetivo não pode ser aplicado ao reduzido crescimento económico previsto para 2018 (2,2%, real). Se a reposição dos rendimento é defensável, o atribulado contexto internacional teria exigido maior prudência na janela temporal de concretização, em especial com medidas cujo impacto não é conhecido (caso do descongelamento de carreiras).

 

Do lado da fiscalidade continua a não haver a preocupação de minimizar o brutal aumento de impostos da anterior legislatura. Se quase 50% dos agregados familiares já estão isentos (também existe evasão fiscal na base), os agregados com rendimento anual de cerca de 37 mil euros já são considerados ricos, a despesa com benefícios fiscais continua a aumentar (o PCP já não repara?) e a tributação sobre as empresas continua a ser uma incógnita de ano para ano.

 

As opções políticas deste OE merecem duas notas. A primeira refere-se à possibilidade real de virem a ser cativados (novamente) quase dois mil milhões de despesas: para já anunciam-se medidas muito positivas e a meio de 2018 percebe-se que parte do seu valor era artificial. Não é uma boa prática orçamental, mas tão-só uma artimanha.

 

A segunda nota respeita à quase inexistência de reforço de verbas após a calamidade de Pedrógão. O Governo não estava motivado e os seus parceiros só acordaram após a catástrofe de 15 de outubro. Se o Governo finalmente aprovou um pacote extraordinário de intervenções, também é certo que não refletiu seriamente na exigência e no modo de operacionalização das medidas que lhe foram apresentadas pelo grupo de especialistas. Mais, finge não ter a noção da impossibilidade de implementar medidas que envolvem dezenas de organismos integrados em três ministérios. O PM teve o cuidado de explicar que a reforma será conduzida sem ruturas. Ora, o facto de ter integrado diversos governos dá-lhe necessariamente um profundo conhecimento dos chamados interesses instalados (no combate aos incêndios, por exemplo) e do desinteresse de alguns órgãos políticos (caso das autarquias, em alguns domínios da prevenção). Ouvir, sem sair da sala, o tom e as ameaças de um antiquíssimo presidente da Associação Nacional de Bombeiros é um mau sinal. O PM é forte em conter as emoções, mas deixa de o ser ao não fixar qualquer linha vermelha.

 

Professora universitária (ISEG) e investigadora. Economista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
zé dos bois Há 1 semana

O Sr,a Manuela, as verdades é para se dizerem. Era o que faltava, linhas vermelhas ? Isso é ditadura e mordaça.

ha ha ha, que tristeza de PM Há 2 semanas

Tristeza de PM canhoto.

pertinaz Há 2 semanas

EM RESUMO: O PM DO DESGOVERNO FEZ PAPEL DE PALHAÇO INCOMPETENTE E AMEDRONTADO...!!!

NADA DE NOVO...É O QUE ELE É EFECTIVAMENTE...!!!

Mr.Tuga Há 2 semanas

Bom artigo.