Fernando  Sobral
Fernando Sobral 23 de maio de 2017 às 20:58

Madonna e o mundo material 

Enquanto o país se comove com a telenovela da possível aquisição de uma quinta, de um apartamento ou de um tuk-tuk por Madonna, a Europa ofereceu a Lisboa uma canção pop: podes dançar, mas o ritmo é escolhido por mim.

A Comissão Europeia acha-se, às vezes, um DJ de Ibiza mas, no fundo, é um Frankenstein do hip-hop. Continua a desconfiar de Lisboa, mas acena com a paz. Não podemos sair para já deste mundo. Madonna, que sempre foi uma estratega política, uma versão musical de Maquiavel e Sun Tzu, já tinha deixado tudo explícito num dos seus temas incontornáveis, "Material Girl": "You know that we are living in a material world/And I, I'm a material girl." Percebendo nas entrelinhas as recomendações da vetusta CE, Portugal vai poder respirar melhor, mas tem de se manter na linha. Da austeridade. Com mais ou menos açúcar. Não é para admirar: as contas são agradáveis, mas há uma dívida por pagar do tamanho dos Pirenéus. É por isso que é sempre empolgante escutar o fogo-de-artifício do BE e do PCP sobre gastar mais uns dinheiros que não existem. Mas sabemos como é: cada um tem de alimentar as ilusões dos seus eleitores.

 

Por isso, o "optimismo" tem de ser controlado. Como explica Madonna, o materialismo destes dias só é dialéctico nalguns casos. É preciso estratégia, tacto e utilizar a inteligência para se atingir os objectivos. Logo, números de trapézio verbal são arriscados. Há mais folga, mas não se descobriu um poço de petróleo no Ministério das Finanças. Temos, claro, de ser condescendentes: a política, entre nós, transformou-se numa outra espécie de "fast food". Não se desfruta, nem se digere. Consome-se. E a classe política move-se à velocidade do caracol para mudar isso. Insiste-se muitas vezes em oferecer à população portuguesa, desorientada sobre o rumo que há-de seguir, uma bússola fora de prazo. É preciso sarar as feridas dos anos de austeridade, em que muitos trabalhadores do sector privado tiveram de emigrar, com as suas valias, para sobreviver. Porque não tinham emprego para a vida.

 

Grande repórter

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A.Loopes 24.05.2017

Comentário excelente! Assim fossem todos os comentaristas que enxameiam pela c.social, sobretudo a papaguear nas Tvs!. Os pés bem assentes no chão, são a única maneira de algum dia podermos sair da encruzilhada em que nos deixámos cair durante muitos anos!

Mr.Tuga 24.05.2017

MUITO BOM!
E os tugas vão ficando cada vez mais estupiidificados, imbecilizados e anestesiados com as TV de 3º mundo a noticiar 24h as voyajes da MaNdonna a lá plage de LIXOboa e com os patos Ronaldos dos futeboleiros e noBelas.....
TRISTES.