Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 15 de maio de 2017 às 00:01

Mais 100 dias de "estado de graça"?

Uma visita do Papa, uma vitória do Benfica na Liga Nos e uma vitória no festival da Eurovisão. O que é que um 1º ministro e um Presidente poderiam pedir mais?

Portugal tem desafios complicados, a que o poder político raramente se refere (competitividade, contas públicas, crescimento, etc). E quando fala deles é para vender facilidades. É neste cenário que devemos equacionar

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais
A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
????? Há 1 semana

Mas este gajo está a falar do quê??????

Anónimo Há 1 semana

Oh Camilo, como é possível o Negócios continuar a permitir que sejas colunista. Vens falar em contas públicas e crescimento, onde estás a viver? Oh homem, ainda não percebeste que o défice de 2016 foi o mais baixo de sempre e o crescimento é o mais alto dos últimos dez anos? Admite, és um falhado!!!

Anónimo Há 1 semana

Esse camelo, o prazer dele, era ver os pobres serem derretidos a trabalhar sem nada em troca, nem é necessário dizer onde pertence politicamente. Devia pertencer ao quénia,que vá para lá e não meta cá mais nojo. O agricultor não devia cultivar batatas, arroz, etc, para esse tipo de gente.

Silva Há 1 semana

Que gajos como tu se calem de vez e comecem a set comentadores sérios

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub