Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 19 de julho de 2017 às 21:02

Malparado, problema ou oportunidade? Depende...

O crédito malparado nos balanços dos bancos na Europa é um problema que continua a preocupar as autoridades europeias.

Mas, enquanto deste lado do Atlântico acaba de ser aprovado um plano de acção para a redução dos activos não produtivos ("non performing loans" ou NPL, em inglês), nos EUA são cada vez mais as instituições que olham para estes activos com interesse. Segundo o Financial Times, o grupo de capital de risco AnaCap lançou, este mês, uma emissão de dívida de alto risco no valor de 325 milhões de euros para levantar financiamento para investir na compra de activos de má qualidade em países como Portugal e Itália. E este não é o único grupo a apostar no malparado.

 

Recentemente, a Caixa alienou 476 milhões de créditos a PME à Bain Capital, entidade que também andou às compras em Espanha. Também o Unicredit finalizou a venda de uma carteira de activos de má qualidade à Pimco e à Fortress. E estes negócios não deverão ficar por aqui. Segundo a Deloitte, citada pelo Financial Times, os fundos norte-americanos, que incluem grandes bancos de investimento como o Citi e o Morgan Stanley, reservaram 300 mil milhões de dólares para investir em activos problemáticos. As autoridades europeias agradecem.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar