Fernando  Sobral
Fernando Sobral 07 de Novembro de 2016 às 09:42

Mariano Rajoy: a evolução na continuidade

Com Rajoy tudo muda; nada se transforma. Por isso o novo Governo espanhol é o espelho fiel de si próprio.

Os fiéis mantêm-se, os mais novos dentro do PP têm de esperar para conseguir protagonismo, as respostas num sector (a Justiça) confrontado com corrupção sem fim vão manter-se. Tudo vai ter a Rajoy: seja com a sua vice-presidente, Soraya Sáenz de Santamaria, seja com a ida de Maria Dolores de Cospedal para a Defesa (mantendo a liderança do PP). No El País, Rubén Amón, vê assim o novo executivo: "Se a política apaixonasse tanto como o futebol cada espanhol teria a sua própria equipa titular de Governo. Discutiríamos sobre a idoneidade do ministro do Interior (interior direito) ou sobre a versatilidade do dos Negócios Estrangeiros, mas não chegaríamos tão próximos do hooliganismo. Menos ainda com um mister, Mariano Rajoy, cuja autoridade ignorou qualquer recomendação plebiscitária. A lista é sua. O Governo é seu."

No El Mundo, Federico Jiménez Losantos afirma: "Muitos acreditaram, efectivamente, que Rajoy ia mudar. Não que pudesse e devesse fazê-lo - pelo bem da Espanha, do seu partido e dele mesmo, deveria - mas, pelo menos, poderia tentá-lo. Pois bem, ontem deixou claro que isso não lhe importa. Só deixou cair um amigo, Margallo, porque este se atreveu a preconizar-se seu sucessor. (…) Ao não mudar, Mariano nem sequer melhorou a situação dos leais e eficazes." A evolução na continuidade segue ao ritmo definido por Rajoy. No catalão La Vanguardia, Carmen del Riego, comenta: "Rajoy necessita de um PP em perfeita sintonia com o Governo. (…) Assim Rajoy fará um Governo com pessoas experimentadas, acostumadas à política e à política difícil, ao diálogo, à moderação, um Governo que ganhe a confiança dos grupos no Congresso e que isso permita que os grandes pactos que estão em cima da mesa sejam realidade." Será assim?
A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar