Fernando  Sobral
Fernando Sobral 02 de Dezembro de 2016 às 09:33

Mario Draghi e o populismo italiano

A União Europeia treme. Com o Brexit. Com Donald Trump. Com os emigrantes. Com a Turquia. Com o populismo. Com a sistemática falta de crescimento económico.

Numa importante entrevista ao El País, Mario Draghi fala da crise que se vive: "As preocupações dominantes dos cidadãos da UE são agora a emigração, a segurança antiterrorista, a defesa e a protecção das fronteiras. Todas são assuntos supranacionais, que requerem uma resposta comum. A integração europeia é a resposta adequada, mas tem-se debilitado nos últimos tempos, em parte devido aos populismos." E acrescenta sobre a política do BCE: "Mesmo que as compras de activos façam os preços subirem, não podemos esquecer que a causa maior da desigualdade é o desemprego. O QE não aumenta a desigualdade."

Na Prospect, Bill Emmott fala do referendo italiano: "Uma bomba-relógio está a fazer tiquetaque no coração da Europa, com uma etiqueta a dizer 'Made in Italy'. Ainda pode ser desactivada. Mas se não o for, fará com que o Brexit seja uma gritaria sobre nada. (…) Os riscos para a Europa e para o mundo são enormes. O Movimento 5 estrelas não é um partido de diabos da extrema-direita como a Frente Nacional ou Donald Trump. Está repleta de jovens profissionais desesperados para acabar com a corrupção e renovar o país. Mas é um partido sem políticas coerentes ou organização, liderados por um comediante, Beppe Grillo, e guiados por sonhos ingénuos de democracia participativa via internet". E, no La Repubblica, Gianluca Luzi escreve: "Se vencer o 'sim' tudo se tornará mais simples: Renzi continuará a ser o mais forte. E a ofensiva concêntrica da oposição e dos populistas (em grande parte coincidentes) será restringida, a bolsa festejará e Bruxelas brindará preparando-se para pôr Itália em exame por causa das contas públicas." São estes os dilemas italianos e europeus.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rebelo Há 2 dias

E não fala do Ronaldo com os 150 000 000€ escondidos ao fisco? Nem do pobrezinho Mourinho que escondeu muito menos ,o pobre, e oPepe e os outros?

pub
pub
pub