Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 21 de janeiro de 2018 às 18:45

Menos reservas de capital, mais dividendos

Os grandes bancos norte-americanos apresentaram, na última semana, os resultados relativos ao quarto trimestre do ano. E, ao contrário dos exercícios anteriores, os números divulgados não foram os melhores.

Entidades como o Citigroup e o Goldman Sachs registaram os primeiros prejuízos em vários anos, penalizados pela reforma fiscal. Mas os resultados negativos não vão impedir os bancos de aumentar a remuneração accionista nos próximos anos, avança uma notícia do Financial Times. O CEO do Citigroup garantiu que mantém o plano para devolver 60 mil milhões de dólares do capital aos accionistas. E não é o único grande de Wall Street que está determinado em usar as reservas de capital para remunerar os accionistas. Depois de anos a reforçarem os rácios de capital, os principais banqueiros dão indicações de que poderão abdicar de parte destas reservas e aumentar a remuneração accionista. James Gorman, líder do Morgan Stanley, adiantou que o banco está "mais do que suficientemente capitalizado para o nosso negócio, tamanho e perfil de risco". Gorman adiantou ainda que espera que os reguladores do sector aprovem maiores "payouts", após os próximos testes de "stress". Será que os reguladores vão na conversa?

 

Jornalista

 

pub