Alexandre Real
Alexandre Real 09 de maio de 2017 às 20:47

Movimento "Desporto sem Imposto"

Uma das melhores heranças que recebi da educação dos meus pais foi ter sido educado numa cultura de desporto. Desde miúdo que tenho vindo a praticar vários desportos.

Hoje reconheço ao olhar para trás que o desporto foi sem dúvida um dos pilares da minha educação, foi um educador informal que tive sem me aperceber e com o qual nunca me zanguei.

 

Foi sem dúvida o desporto que me disciplinou no cumprimento de regras, no respeito pelos colegas de equipa, ensinou-me a respeitar os meus adversários, a saber que a vida é composta de vitórias e derrotas e que necessitamos de uma grande dose de resiliência e autocontrolo emocional para obtermos uma boa performance.

 

A nível profissional também estou agradecido ao desporto e a todos os meus mestres treinadores que me ensinaram que o treino é fundamental para melhorar e atingirmos mais facilmente os nossos objetivos, aliás é algo que me interrogo várias vezes, se as equipas desportivas treinam quase todos os dias para competirem ocasionalmente, porque é que as empresas e as instituições competem todos os dias e raramente param para treinar?

 

Além de toda a dimensão social do desporto que é tão grande que é impossível descrever neste artigo, existe também uma enorme dimensão económica, por exemplo:

 

- Pessoas que praticam desporto são mais produtivas e saudáveis, logo adoecem menos e faltam menos ao trabalho, o que representa para o Estado (todos nós) um maior encaixe de impostos via produtividade das empresas e instituições e ainda uma maior poupança nas despesas de Segurança Social;

 

- Pessoas que praticam desporto corroboram no que se designa de medicina preventiva, ou seja, são investidores que apostam na prevenção de doenças e não no seu tratamento, o que tem como consequência a poupança de milhões de euros ao Sistema Nacional de Saúde;

 

- Jovens que praticam desporto têm uma maior propensão para serem bons cidadãos e uma menor tendência para comportamentos aditivos, aqui os impactos são vastíssimos ao nível socioeconómico.

 

Além destes impactos existe uma panóplia de outros impactos que representam milhões de euros para a economia portuguesa tais como eventos desportivos, atração de equipas estrangeiras para treinarem em Portugal, dinamização de todos os "stakeholders" do desporto, fomento do emprego, etc…

 

Como ficou demonstrado, o desporto é fundamental para o Estado (todos nós), e neste sentido gostava que divulgássemos esta mensagem, de forma a sensibilizarmos os agentes políticos que tudo o que envolve o fomento da prática desportiva deveria estar isento de imposto.

 

A isenção de imposto no fomento e prática de desporto seria sem dúvida um dos melhores investimentos que o Estado português poderia realizar e sem margem de dúvidas que seria altamente lucrativo para o Estado (todos nós).

 

Gestor e Professor Universitário

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico 

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
carlos santos 12.05.2017

Benefícios do desporto

Realizar exercício físico, seja em que idade for, pode trazer um conjunto de benefícios, não só a nível físico, como psíquico e social A nível físico é sabido que o desporto ajuda no combate à obesidade, reduz o risco de doenças cardiovasculares, fortalece músculos.

Mr.Tuga 11.05.2017

Para o tuga "desporto" é fuitibóis e seus chutadores de boila analfabetos e pagos principescamente ....