Fernando  Sobral
Fernando Sobral 19 de julho de 2017 às 20:51

Muitas venturas?

Ou seja, Passos Coelho abre a porta ao populismo como mantra do seu novo PSD. Vale tudo para conquistar o poder?

Foi Quentin Tarantino que nos alertou para o facto de Super-Homem ser o único super-herói que não usa máscara. A sua psicologia funciona ao contrário da de Batman ou do Homem-Aranha. Super-Homem precisa de uns óculos para se perder, como o tímido Clark Kent, no meio da multidão, sem ninguém o reconhecer. Na política portuguesa irrompeu agora uma personagem chamada André Ventura que, segundo se diz, é candidato do PSD à Câmara de Loures. Habituado a dizer umas larachas sobre futebol, Ventura aplica o mesmo princípio à política: grita umas tolices para que alguém repare que exista. Como se sabe o direito à tolice é reconhecido constitucionalmente. Mas alguns confundem isso com dever. O caso é patético mas é grave. Mostra, desde logo, que partidos responsáveis se deixaram contaminar pelos mestres da pirotecnia televisiva: o que é importante é que os candidatos apareçam na televisão e não que tenham ideias ou valores morais ou éticos. É uma opção. Mas é mais grave quando, face a um coro de protestos (incluindo a saída do CDS da coligação), Passos Coelho continue a desejar "muitas venturas" a Ventura.

 

A direcção do PSD entrincheirou-se num castelo medieval. E este é apenas o derradeiro exemplo dessa tentação da idade das trevas. Porque as afirmações de Ventura são reais e perigosas. São ética e moralmente vergonhosas mas, na óptica da liderança do PSD, deixam o problema na decisão eleitoral. Serão os eleitores a validarem ou obliterarem estes dislates. O que levanta um outro problema: as declarações convictas de Ventura são típicas de um populismo radical que pouco tem a ver com a ideologia social-democrata do PSD. Ou seja, Passos Coelho abre a porta ao populismo como mantra do seu novo PSD. Vale tudo para conquistar o poder? Sobretudo fórmulas mágicas como convocar instintos primários que têm a ver com preconceitos étnicos? É assim que um partido sério e responsável fica refém do radicalismo xenófobo. Resta saber o que pensam os social-democratas do PSD.

 

Grande repórter

A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.07.2017

Li o artigo desse senhor na edição em papel, senhor com letra pequena (sobral) e fiquei pasmado. Como é possível este estupor escrever o artigo sem nunca apontar mentiras ao Ventura? Ou ele é cigano ou está feito com eles. Claro que o Ventura não vai ganhar naquele concelho infestado de ciganos !!!

Anónimo 20.07.2017

O candidato apenas disse a verdade. Verdade inconveniente para muitos, claro. Toda a gente v^ªe que os ciganos são uma minoria privilegiada no nosso pais. Conhecem algum caso que filhos de ciganos são retirados aos pais?

Anónimo 20.07.2017

Quando as verdades não são convenientes, arrolham-se as bocas. Porque um gajo ousou dizer em publico o que milhões dizem .em privado, cai-lhe o carmo e a trindade em cima, só por não ser da cor certa. E se fossem lamber sabão?

Ortigao.Sao.Payo 20.07.2017

Não vos vejo ou leio a escrever sobe o populismo do ps be pcp esses sim populista encartados de extrema direita dum bloco tipo Maduro

ver mais comentários