Fernando Ilharco
Fernando Ilharco 03 de agosto de 2017 às 19:20

Não fazer nada

A criatividade é hoje um desafio importante nos negócios em geral. A capacidade de ser útil, surpreendendo com propostas óbvias, mas que nunca ninguém havia pensado. Não é fácil, claro.

Mas esforçar-se muito, pensar e pensar mais, analisar mais isto e mais aquilo, pode não ser o melhor caminho. Não fazer nada pode ser melhor.

 

Numa altura em que muitos vão de férias, mas deixam assuntos pendentes, oportunidades adiadas, reuniões para Setembro, vale a pena dizer que ir de férias, não fazer nada profissionalmente, pode ser bom para a vida… profissional.

 

Nos competitivos dias que correm, não fazer nada pode ter vantagens interessantes. A criatividade, a ideia que faz a diferença, é um desafio constante da vida profissional. Mas pessoas cansadas, com agendas cheias, nem sempre conseguem gerar boas ideias, a melhor motivação e os melhores resultados. Às vezes, afogadas na rotina da eficiência perde-se o ritmo da eficácia. E a eficácia, a médio e a longo prazo, é o que interessa.

 

Ora no que diz respeito à criatividade, as ciências comportamentais hoje são taxativas: não fazer nada é bom para a criatividade. É mais fácil ser-se criativo se se estiver física e mentalmente descansado.

 

Depois de algum tempo em forte ritmo profissional é necessário não fazer nada durante uns dias para que depois se possa fazer algo de jeito. Ir de férias, um fim-de-semana prolongado, descansar, dormir bem, fazer pausas, tudo isto é bom para a criatividade. Descansando, dormindo bem, não fazendo nada, as memórias consolidam-se e no cérebro estabelecem-se novas ligações neurais, isto é, emergem novas ideias.

 

Um exemplo, a canção "Yesterday", a mais cantada por mais artistas, com mais de 4.000 versões, parece ter sido inventada por Paul McCartney, dos Beatles, enquanto dormia… Um belo dia, McCartney acordou com a melodia na cabeça; às tantas disse para si próprio "ei!... não conheço esta música…". Pensou que seria uma canção antiga, que por um motivo ou outro se havia lembrado. Perguntou aos outros Beatles se a conheciam, perguntou a outros músicos, perguntou aos amigos e a muitas pessoas… e nada, ninguém conhecia a melodia com que McCartney acordara. Só anos mais tarde, depois do estrondoso sucesso de "Yesterday", e certo da originalidade da música, Paul McCartney ficou seguro de que a canção era sua e que a havia inventado enquanto dormia; uma das melhores canções de sempre.

 

Não fazer nada é bom para a criatividade. O inconsciente não pára, a mente vagueia, consolida memórias, faz ligações, inventa e cria. E há sempre algum trabalho a fazer… estar atento, reparar e não deixar passar o pode fazer a diferença.  

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar