Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 26 de dezembro de 2017 às 14:30

Não seja cúmplice, sr. Presidente!

Nos últimos 20 anos assistimos a uma quebra dramática da confiança na classe política e nas instituições democráticas. Essa quebra tem sido acompanhada de apelos dramáticos à mudança de comportamentos e até à “reforma compulsiva” de algumas figuras do “establishment”.

Debalde... Veja-se a forma como o Parlamento votou a mudança do regime de financiamento dos partidos e da sua fiscalidade (IVA): 1 - a partir de agora, os partidos ficam livres para receberem o que quiserem: o limite de 1.500 vezes o Indexante de Apoios Sociais  (atualmente em 419,9 euros) desaparece; 2 - os partidos deixam de pagar IVA em qualquer transação (até agora não pagavam IVA na transação de bens e serviços relacionados com a sua atividade, o que já era uma injustiça!). 

Está chocado? Veja o resto... O novo regime permite aos partidos resolverem situações passadas, em que o Fisco lhes exige milhões de euros de IVA.. Isso mesmo: a lei é retroativa!!!  


Se a tudo isto juntarmos a forma inacreditável como tudo foi feito (em segredo, pela mão do PCP-PEV, Bloco de Esquerda, PS e PSD) percebe-se que a falta de vergonha se transformou em insulto. 


O PCP safa-se com o IVA da festa do Avante e coisas afins? Óbvio. O PS e o PSD livram-se de processos em que lhe exigem milhões de Euros? Sim. O PS vai limpar as contas (o partido está pouco menos do que falido!)? Sim. Só há uma coisa que não se safa: a imagem da Democracia, cada vez mais podre. Depois admiram-se quando os eleitores lhes chamam corruptos... 

Alô Belém?! Não tem nada a dizer sobre isto? 

Jornalista de Economia

 

Este artigo está em conformidade com o novo acordo ortográfico

pub