Cristina Casalinho
Cristina Casalinho 17 de agosto de 2017 às 20:20

No bom caminho

A presente composição do PIB compara favoravelmente com 2007 ou 2004. As exportações assumem um papel mais destacado do que no passado recente, sendo igualmente a relevância do investimento acrescida.

Esta semana, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou a estimativa rápida para o crescimento em volume do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2017. Após uma expansão nos últimos doze meses de 2,8% no final do primeiro trimestre, no trimestre terminado em junho o PIB regista igual acréscimo homólogo. A componente interna continua a revelar vigor, impulsionada essencialmente pela evolução positiva do investimento; porquanto, o contributo externo apresentou valores negativos, devido a um abrandamento das exportações superior à desaceleração das importações. O crescimento de 2,8% na primeira metade do ano assegura uma expansão anual superior a 2%. Embora em dezembro de 2007 e, antes disso, em junho de 2004, se tivessem observado taxas de crescimento homólogas no trimestre de 2,8%, esta fasquia foi apenas superada consistentemente em 2000.

 

A presente composição do PIB compara favoravelmente com 2007 ou 2004. As exportações assumem um papel mais destacado do que no passado recente, sendo igualmente a relevância do investimento acrescida. Embora o detalhe do andamento do PIB nos três meses terminados em junho não se encontre disponível, recorrendo a indicadores de alta frequência, sabemos que o investimento continuou a evoluir positivamente, ultrapassando decisivamente a desaceleração observada no primeiro semestre de 2016. Este comportamento é tanto mais encorajador quanto se reconhece que o crédito bancário às empresas não se encontra totalmente restaurado e novos projetos têm sido fortemente financiados por fundos próprios. Em paralelo, as importações de bens de capital (excluindo material de transporte) cresceram 17,1% (ou contributo de 1,4 p.p.), face a igual período do ano anterior, no segundo trimestre de 2017, emergindo como uma das rubricas das importações com maior acréscimo.

 

As exportações terão continuado a expandir-se saudavelmente, embora os dados publicados pelo INE no âmbito do reporte do comércio internacional de bens apontem para uma evolução relativa mais dinâmica das importações (+13,3% de crescimento homólogo no trimestre que compara com 7,5% das exportações). Este comportamento não inclui o andamento dos serviços e o turismo tem vindo a bater máximos consecutivamente. Por outro lado, assinala-se o anúncio de ampliação de operações de várias importantes exportadoras nacionais, designadamente no âmbito de investimento direto estrangeiro, o qual deverá assegurar a sustentada expansão do contributo das exportações para o crescimento a prazo.

 

Outro elemento positivo a relevar neste enquadramento macroeconómico favorável refere-se ao mercado de trabalho. Além da queda da taxa de desemprego para limiares inferiores a 9% (8,8%), destaque-se o aumento homólogo da força de trabalho em 0,8% no segundo trimestre ou o acréscimo de taxa de participação. Portanto, a simultânea queda da taxa de desemprego e o aumento da taxa de participação espelham forte capacidade de criação de emprego.

 

As tendências recentes de evolução do PIB são encorajadoras e evidenciam bem-sucedidas alterações estruturais da economia portuguesa; não obstante, a questão da elevação sustentada do PIB potencial persiste.

 

Economista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 dias

A pertinência das reformas da troika da UE e do FMI e seus efeitos positivos na economia portuguesa são mais do que ponto assente. A própria OCDE tem alertado para a importância dos governos mais desatentos de territórios relativamente menos desenvolvidos fazerem essas mesmas reformas que as economias e sociedades mais avançadas já encetaram há bastante tempo. O problema não é isso. O problema é que o governo português anti-troika, ou seja, anti-equidade e sustentabilidade, vai reverter tudo do pouco que foi feito e Portugal volta à estaca zero.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Se a República comprar pás e picaretas e o governo mandar metade dos portugueses esburacar as estradas todas e outra metade ir lá tapá-las a 150 euros à hora, o PIB ainda cresce mais este ano. Força dupla Costa-Centeno! Não compensa é os estragos já feitos em Tancos e Pedrógão. Não ia lá com pás, picaretas e uma avalanche de contratos de trabalho sem qualquer estratégia, justificação ou sentido. Mas o PIB cresce. E a dívida para nós e os nossos filhos (não meus e teus, obviamente) pagarmos também...

Anónimo Há 2 dias

A pertinência das reformas da troika da UE e do FMI e seus efeitos positivos na economia portuguesa são mais do que ponto assente. A própria OCDE tem alertado para a importância dos governos mais desatentos de territórios relativamente menos desenvolvidos fazerem essas mesmas reformas que as economias e sociedades mais avançadas já encetaram há bastante tempo. O problema não é isso. O problema é que o governo português anti-troika, ou seja, anti-equidade e sustentabilidade, vai reverter tudo do pouco que foi feito e Portugal volta à estaca zero.

surpreso Há 2 dias

Um artigo a dar graxa.Quando compara as importações ,não tenta analisar.Percebe-se porquê?