António Moita
António Moita 31 de julho de 2017 às 21:50

No que se transformou o PSD

Hoje é fácil bater em Pedro Passos Coelho. Não há quase ninguém que não o tenha feito. Seja pelo que fez ou faz, seja pelo que disse ou diz. Louve-se, no entanto, a coragem de um homem que não sai de cena mesmo quando a peça já não precisa dele.

Confesso ter estima pessoal por Passos Coelho. Porque enfrentou a tormenta com tenacidade, salvou o país de males ainda maiores, defendeu obstinadamente o caminho em que acreditava, não confundiu as prioridades nacionais com a agenda dos ciclos políticos. Se é verdade que não existem na política portuguesa muitos líderes com este perfil, também é facto que aos que o têm não se vislumbra grande longevidade. E num partido grande isso pode ser fatal. E está a ser.

 

Ninguém hoje acredita que esta liderança dure muito mais tempo. Nas eleições internas regionais e locais, os seus detratores começaram já a tomar posições arregimentando os caciques habituais e negociando cada voto. Provavelmente os mesmos que o elegeram a ele.

 

Esta interiorização da ideia da morte anunciada do líder tem por consequência o afastamento progressivo de quem alimenta a máquina. Ficam apenas os que estão sempre disponíveis para "ajudar" o novo líder, os que querem agarrar uma oportunidade para breves momentos de fama e aqueles que, mesmo sem grande vontade, cumprirão esta missão patriótica até ao fim, até porque têm vida profissional independente da política.

 

A orquestra social-democrata é hoje composta, na sua grande maioria, por figuras de segundo plano a quem foi colocado nas mãos um instrumento que nunca saberão tocar. A cacofonia aí está e não colhe a simpatia do público.

 

Não sei se, num futuro próximo, alguém no PSD conseguirá inverter este caminho de afastamento natural da atividade partidária dos melhores de cada geração. Mas sei que a criação de uma alternativa moderna e credível no espaço do centro e da direita passa por novas abordagens dos problemas estruturais, uma linguagem diferente e protagonistas confiáveis. Se os caciques o permitirem!

 

Jurista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

pub