Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 12 de janeiro de 2017 às 20:16

O fado dos accionistas da banca

São muitos os pequenos accionistas desiludidos com a evolução bolsista  do  BCP  que foram deixando o seu investimento em carteira e agora já perderam mais de 99 por cento do dinheiro investido.

Estão numa situação ligeiramente melhor do que os investidores no BES que ficaram até ao momento da resolução e perderam tudo, mas o saldo para quem aplicou as suas poupanças num banco que vendia agressivamente o título aos clientes, dando como contrapartida condições mais favoráveis em créditos, é simplesmente aterrador.

 

Tal como estes pequenos investidores há tubarões como Berardo que também perderam fortunas, mas a diferença é que o dinheiro dos grandes investidores, não era deles. Aliás a compra massiva de acções do BCP a crédito por especuladores é um dos episódios marcantes da montanha de imparidades que os principais bancos acumularam, particularmente no próprio BCP, na Caixa e nos despojos do antigo BES.

 

Há ainda casos de investidores que acreditaram numa retoma quando as acções atingiram o patamar de uma bica (60 cêntimos) em 2011. Pura ilusão. Quando o preço de um café já dava para ter um portefólio, o banco decidiu juntar 75 títulos em cada acção e a cotação superou 1 euro. Mas a notícia de novo aumento de capital, voltou a baixar esse patamar e feitas as contas cada acção velha equivale a pouco mais do que um cêntimo.

 

A boa notícia é que o reforço de capital chinês e o acompanhamento dos angolanos evita problemas para o Estado. Nestes dias agitados já é uma conquista um banco livrar-nos de mais um resgate público.

 

Isto porque os contribuintes já se tornaram investidores forçados de um sistema financeiro afogado em imparidades e com uma pressão excessiva por parte dos reguladores europeus que exigem rácios de capitais próprios sem racionalidade e lesivos da economia portuguesa. Neste fado de accionistas  forçados  da  banca, já chega a conta do BPN, do Banif, da capitalização da Caixa. Que o destino nos livre de novo fado com o Novo Banco.

 

Director-adjunto do Correio da Manhã

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.01.2017

Cá se fazem cá se pagam , só que quem as fez mamou e continua a mamar que nem cachorro , os que não as fizeram pagam tudo com lingua de palmo . Viva a República dos pequenos acionistas.
Vai lá vai até a barraca Obama

Anónimo 13.01.2017

Perante a ineficiência criminosa da Supervisão e má gestão do B C P, o pequeno Accionista , contrariado é obrigado a acompanhar mais um aumento de capital.

Haja vergonha ,ou então, acabemos com o B C P !!!