Fernando  Sobral
Fernando Sobral 03 de julho de 2017 às 09:46

O aniversário do iPhone, a multa à Google e as renováveis

Tivemos em tempos de mudança. Tecnológicas e ambientais. Por estes dias celebram-se os 10 anos do iPhone, o telemóvel que veio revolucionar as comunicações.

Sobre isso André Spicer, no The Guardian põe o dedo na ferida: "Depois de uma pequena pesquisa no Google descobri que quatro em cada cinco adultos no Reino Unido têm um smartphone e que o cidadão americano médio olha para ele 46 vezes por dia; se tiver entre 18 e 24 anos olha para ele 74 vezes por dia. Usamos os nossos smartphones a andar na rua, a ver filmes, ou em lugares religiosos. Um em cada três adultos admite ver o seu telefone a meio da noite; 12% admitem usá-lo enquanto estão a tomar duche. (…) Continuamos a olhar para os nossos telefones para ter a certeza de que não perdemos nada do que está a acontecer - seja uma mensagem importante ou uma apenas uma notícia". Há razões para celebrar?

A UE multou a Google num valor recorde. Por abusar da sua posição dominante. Nos EUA, um documento que criticava a Europa pela decisão circulou através de lobistas, procurando apoio no Congresso, mas nunca foi publicado porque não teve apoio. Entretanto a comissária Margrethe Vestager, para atingir um público jovem, deu uma entrevista à revista Vice. Disse ela: "Ninguém deve ser tão grande que esteja acima da lei, ou acima de ser desafiado. E eu penso que isso é importante porque com o poder vem a responsabilidade". No New York Times, Gail Collins fala de outra coisa, a política pró-carvão e pró-nuclear de Donald Trump: "Em 1999, o governador George W. Bush assinou uma resolução (no Texas) para incentivar o crescimento da indústria de energia do vento. Agora existem 23 mil empregos neste sector no Texas e 8000 na área do carvão. (…) Os empregos no carvão caíram, os da energia do vento e solar cresceram. Este é um grande sucesso que a administração Trump odeia reconhecer." Agora Trump quer tornar carvão e nuclear "cool". Estes são os novos tempos.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub