Fernando  Sobral
Fernando Sobral 26 de maio de 2017 às 09:51

O Brasil entre Michel Temer e um futuro qualquer

O Brasil vive dias de agitação únicos. As manifestações em Brasília a pedir a saída do Presidente Michel Temer, acusado de corrupção, levaram a algo inimaginável: este pediu que os militares saíssem dos quartéis para repor a "ordem".
Algo que os próprios militares, pela boca do Chefe de Estado-maior do Exército, viram com desconforto. No Congresso, os deputados estiveram prestes a entrar em vias de facto. E procuram-se políticos que não estejam salpicados pela corrupção, para que seja possível renovar algo. Elio Gaspari, na Folha de S. Paulo, escreve: "Injetaram em Temer o veneno que há um ano ele ajudou a injetar em Dilma." Já Luiz Ruffato, no El País/Brasil, argumenta: "Poeta medíocre, político desimportante, o Presidente não eleito, Michel Temer vem demonstrando que, além de tudo, não possui a mínima hombridade. Conspirou nos bastidores para derrubar a Presidente Dilma Rousseff, e, ocupando o cargo de forma ilegítima, promove autoritariamente o rápido desmantelamento de um rol de direitos trabalhistas e sociais conquistados ao longo de várias décadas. Agora, flagrado em uma situação que se configura como crime de responsabilidade, prefere manter o país agônico do que retirar-se de cena. (…) É urgente reivindicar eleições diretas já, único caminho possível para tentar salvar a nossa combalida democracia."

No Globo, Helena Chagas argumenta: "Não é normal manifestação de 35 mil pessoas em Brasília, nem que o vandalismo transforme a Esplanada dos Ministérios em praça de guerra e muito menos que o Presidente da República tire do bolso, numa rapidez impressionante, um decreto de garantia da lei e da ordem pelas Forças Armadas. (…) Além da entrada desse inesperado e inquietante personagem, o militar, o capítulo desta quarta teve o estilo 'walking dead'. (…) O Brasil não merece mais uma semana como essa que passou. Normalidade já!" Temer parece estar por um fio.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub