Fernando  Sobral
Fernando Sobral 11 de dezembro de 2016 às 20:05

O calcanhar de Passos

As sondagens são, muitas vezes, tão eficazes como Brutus quando se trata de terminar com uma carreira política. A da Aximage, que foi publicada na semana passada, é assustadora para Passos Coelho.

Segundo ela, 60,3% dos portugueses acham que Rui Rio seria melhor líder para o PSD. Dentro do eleitorado social-democrata a opinião não é tão demolidora: a vantagem de Rio é de apenas 3%. A sondagem abre um debate interessante: o que é melhor para o país é pior para o PSD ou o que é ainda assim pior para o PSD é atraso de vida para o país? Até aqui os dirigentes do partido laranja têm estado mais interessados em guardar munições para o futuro do que abater de vez o tenor de serviço. Mas Passos Coelho, começa a perceber-se, não é o Pavarotti necessário para o regresso ao poder. Serve para entreter os militantes com o seu discurso sobre a catástrofe económica e a CGD, mas o limão já não dá mais sumo. Começa a amargar. Sun Tzu escreveu que: "A melhor política guerreira é conquistar um Estado intacto; uma política inferior é arruiná-lo." O PSD quer conquistar o Estado. Não deseja ocupar uma ruína.

 

As facas e os garfos já estão sobre a mesa e Passos Coelho é o fiambre para a refeição. Compreende-se: o PSD esgota-se nas suas frases e nas de Maria Luís. Ninguém no país se comove com elas. Pior: estamos em Dezembro e a estratégia autárquica do PSD parece um conto de fadas. Lisboa, então, começa a assemelhar-se a um desastre eleitoral anunciado: com a recusa de Santana Lopes, Passos está perdido. Nem há táctica, nem estratégia. Só um imenso vazio de ideias. Compreende-se o pânico entre os principais dirigentes do PSD e porque é que Luís Montenegro, Marco António Costa, Miguel Relvas, Paulo Rangel e, claro, Rui Rio, começam a contar regimentos. Marcelo, em Belém, sorri. O momento do repasto aproxima-se. A guarda pretoriana avança. E Passos Coelho parece que ainda não percebeu que o próximo líder do PSD é capaz de não chegar num Citroën. Mas sim numa bicicleta. Para dar menos nas vistas.

 

Grande repórter

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

PASSOS FOI E É O MAIOR HIPÓCRITA DA POLITICA PORTUGUESA, COM AQUELA CARA DE MANSO ENGANOU E TENTA ENGANAR TODA AGENTE MAIS A SUA FILHA AMESTRADA MARIA LUIS. ROUBOU AOS POBRES PARA DAR AOS RICOS, SÓ OS IGNORANTES PODEM CONFIAR NESSE POLITICO. A MIM NUNCA ME ENGANOU TAL COMO O TRUMPA NÃO ME ENGANA.

Bela Há 2 dias

O despeito e ressentimento aluados a teimosia e outras coisutas mas nao o deixam ver com clareza. Acho rificulo k emblema da lapela

INTENCAO DE VOTO no PPD....28.7% !!!!! Há 2 dias

De Jan/16 ate Nov/16 o PPd CAIU de 36.2% para...28.7% nas intencoes de voto dos Portugueses!!
NAO ADMIRA como os meios de informacao CONTROLADOS pla DIREITRALHA procuram ESCONDER este resultado! Eles andam assustados. O Cuelho trafulha anda descolhoado!
O Partido Socialista continua a SUBIR!

5640533 Há 3 dias

PPC achou que com antipatia e mau feitio cá dentro e subserviência lá fora podia ir longe. Neste momento é uma figura tão patética que há tempo não se vê por estas bandas. E eu pessoapmente estou a adorar.

ver mais comentários
pub