António Moita
António Moita 11 de fevereiro de 2018 às 18:00

O comboio parado no entroncamento 

As previsões da evolução da nossa economia são positivas, mas ainda assim insuficientes para recuperar de um atraso de décadas. Não há volta a dar.

Ou crescemos mais do que a média europeia ou acentuaremos o nosso atraso e perderemos o comboio de alta velocidade do chamado "pelotão da frente".

 

Portugal está indiscutivelmente a passar por uma boa fase seja no ambiente de negócios, seja na repercussão externa da nossa recuperação, seja na exposição mediática e na atratividade das nossas principais cidades, seja na confiança dos investidores e das entidades de avaliação do risco, seja até nos principais indicadores económicos com especial relevo para o défice orçamental ou para a diminuição do desemprego. Mas a verdade é que também a Europa, quase toda, está a passar por um período de idêntica prosperidade e recuperação de anos difíceis.

 

O desafio que está colocado a Portugal é o de aproveitar este clima extremamente favorável para se aproximar mais rapidamente dos que estão na frente. E isso, aparentemente, não é o que irá acontecer. Desde logo porque a dívida externa se reduz em percentagem do PIB, mas desce muito timidamente em termos absolutos. Qualquer subida das taxas de juro, a acontecer como todos preveem, tornará mais difícil a nossa recuperação. Depois porque as nossas exportações precisam de crescer através da diversificação dos mercados e a "força do euro" não ajuda a tornar competitivos os nossos produtos. Também ao nível do turismo a prudência deve existir. Continuar o caminho de sucesso dos últimos anos depende muito mais de fatores externos que não controlamos do que da nossa própria vontade.

 

O caminho é estreito e depende do redimensionamento do Estado para que se torne mais eficiente com menos recursos, da aposta na captação de investimento externo, da criação de emprego qualificado e do aumento da produtividade. Por isso é tão importante perceber se o Governo vai ajudar a prosseguir este objetivo ou se, pelo contrário, o irá prejudicar. Alcançar o ritmo dos melhores implica não embarcar num velho e cansado comboio conduzido por comunistas e bloquistas porque esse irá certamente ficar parado no primeiro entroncamento.

 

Jurista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Antonia Tavares 13.02.2018

Quantas vezes se vai escrever sobre isto? Ainda haverá alguém que não soubesee que nenhum governo está interessado. Querem é votos.

Mr.Tuga 12.02.2018

Só SHOW-OFF !!!!!!!!!!!!!!!!


Tudo na mesma, ou até PIOR!