Celso  Filipe
Celso Filipe 28 de junho de 2017 às 09:45

O dia em que Passos Coelho não devia ter saído de casa

Na segunda-feira, no quartel de bombeiros de Castanheira de Pera, Passos Coelho anunciou que tinha conhecimento de "pessoas que puseram termo à vida, que em desespero se suicidaram e que não receberam o apoio psicológico que deviam" na sequência da tragédia de Pedrógão Grande. O conhecimento, afinal, era falso, e o líder do PSD acabou o dia a pedir desculpa.


A falha, no entanto, penaliza politicamente o antigo primeiro-ministro. "Ao nono dia Pedro Passos Coelho sucumbiu à tentação de fazer política com a desgraça. Política, mas no pior sentido desta antiga actividade, aquela que dá tempo de antena ao fala-barato", escreve Fernanda Cachão no Correio da Manhã.


No Público, David Dinis, questiona como pode Passos Coelho ter tornado pública uma informação desta natureza sem a procurar confirmar. "Aquilo que Passos Coelho fez ontem foi uma irresponsabilidade. E que pode causar mais danos à sua imagem pública do que a aplicação de uma qualquer medida da troika". A sua intervenção tomou conta dos espaços de opinião e existe unanimidade sobre um erro que, politicamente falando, é mais do que de palmatória.

"A bomba que Pedro Passos Coelho lançou (...) estourou-lhe nas mãos. Tivesse havido suicídios e as declarações de seriam igualmente más, seriam igualmente irresponsáveis. Não havendo suicídios, um que fosse, passou a haver, pelo menos, uma tentativa de suicídio político", sustenta Paulo Baldaia no Diário de Notícias. Uma ideia enfatizada por João Pedro Henriques no mesmo jornal. "Passos pediu desculpa por ter usado informação falsa. Não percebe que não podia ter usado, mesmo se fosse verdadeira".

Já no Público, João Miguel Tavares constata que "Passos Coelho, que estava politicamente comatoso, agarrou-se à tragédia de Pedrógão Grande com tal entusiasmo que até vê suicídios entre pinheiros" . 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso Há 3 semanas

Espero pelo dia em que esses jornaleiros,serventuários do PS ,percam o emprego

Anónimo Há 3 semanas

ahahahahahahahah... É pá!... mas então ainda continua o ressabiamento dos direitolas? mas ainda vêm para aqui defender o indefensável? Muito mal está este PSD com gentalha desta... ainda não perceberam que o homem é um mentiroso compulsivo? já nem vou falar do aproveitamento das desgraças alheias que ele não consegue respeitar! É uma trampa!

já agora Há 4 semanas

Não tem quem o desvie das cascas de banana nem conhece bem com quem lida...