Jorge Marrão
Jorge Marrão 23 de agosto de 2017 às 20:45

O equilibrismo necessário

Os regimes de cariz presidencial em França e nos Estados Unidos apresentam soluções que não são estruturalmente de direita e ou de esquerda, e baralham os eleitorados tradicionais e a tradição partidária.

A FRASE...

 

"Draghi admite dificuldades do BCE em lidar com novas realidades."

 

Negócios, 23 de Agosto de 2107

 

A ANÁLISE...

 

A famosa frase, atribuída a Lenine, que quando a realidade não coincide com a teoria muda-se a realidade, é hoje desmistificada por um equilibrismo governativo e presidencial que segue a realidade, adaptando as suas teorias a cada momento. Cada vez mais, a política confirma ser a solução de problemas reais, e não abstratos, ou meramente ideológicos. Terminados os messianismos socialistas das experiências soviéticas, da América Latina e do Leste, dos não-alinhados, e dos vanguardistas do internacionalismo proletário, o mundo perdeu referências políticas ideológicas e titubeia sobre a explicação dos fundamentos da economia. A ideologia foi agora metida na gaveta.

 

Os regimes de cariz presidencial em França e nos Estados Unidos apresentam soluções que não são estruturalmente de direita e ou de esquerda, e baralham os eleitorados tradicionais e a tradição partidária. Em todo o caso, têm uma ideia do que pretendem resolver: encontrar a flexibilidade de uma economia para a globalização, e o outro não deixar o Estado engordar com mais impostos, necessários quando este se insinua como o divino criador e distribuidor de riqueza.

 

Em Portugal, vivemos um momento único: não gostámos da receita da troika, e a receita para o futuro é uma mescla de medidas que não sabemos onde nos levam, mas que não atemorizam o eleitorado tradicional. A frase de Salazar que referia a um seu ministro que lhe propunha ação é revelador do que conhecia dos portugueses: " a natureza humana muda muito pouco, e a do português quase nada". Os tempos não estão para revoluções, nem para reformas arrojadas.

 

Artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso Há 6 horas

A mim não me baralha nada ,sao de mais bom senso e menos "clubismo"