Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 09 de dezembro de 2016 às 00:01

O "fair play" no "offshore"

O futebol tornou-se no maior espectáculo televisivo do planeta e é natural que as maiores estrelas recebam a condizer com o estatuto.

Num mundo globalizado, que inventou os paraísos fiscais para as maiores fortunas escaparem aos impostos, os futebolistas e os agentes que ganham milhões usam todas as portas e janelas para escapar, como fazem as grandes multinacionais.

 

O dinheiro circula para a Irlanda, Holanda e o Luxemburgo, passa por destinos mais ou menos exóticos como Caimão, Ilhas Virgens, Panamá e depois acaba tranquilamente em destinos mais cómodos, frequentemente  sob protecção dos alpes suíços.

 

A divulgação dos documentos do chamado "football leaks"  mostram o itinerário dos contratos milionários de Ronaldo e de outras estrelas.

 

Se houver prova da evasão de impostos, cabe às administrações tributárias lesadas pronunciar-se sobre o assunto e se houver matéria encaminhar os casos para as vias judiciais, mas estamos claramente perante uma questão ética. Ou moral , como considerou o pai do jovem norueguês Odegaard, que no ano passado assinou um contrato de 10,5 milhões de euros com o Real Madrid e recusou uma esquema semelhante ao arquitectado por Jorge Mendes para Ronaldo e outros craques.

 

Na base gigantesca da pirâmide que é o negócio de futebol, estão os adeptos, que pagam os pacotes televisivos, vão ao estádio ou compram camisolas e outros produtos. E a esmagadora maioria de adeptos faz parte do universo das vítimas fiscais que não tem meios de escapar para "offshores".

 

Curiosamente o "fair play" é constantemente promovido pelas organizações que tutelam futebol. A UEFA até tem leis sobre o "fair play" financeiro.

 

Mas como uma vez disse Jorge Jesus, o treinador de futebol  do Sporting, que é dos portugueses que mais dinheiro entrega de IRS este ano, "o 'fair play' é uma treta". Ou no caso dos direitos de imagem dos futebolistas, está no "offshore".

 

Director-adjunto do Correio da Manhã

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ja roubam pouco Ja. 11.12.2016

E continua os parolos dos defensores daquilo que nunca tera defesa.So existe porque muitos destes defensores tambem nunca cumprem com suas obrigacoes. Depois vêm as massas que fazem dos futebois as Elites que se pavoneiam como foi este Europeu, das viajens pagos por todos enquando a previcadora nada

Fernando Costa 09.12.2016

Na minha opinião, há várias motivações (umas mais válidas do que outras) para a tentação (e provável consecução) da fuga aos impostos:
1) Quando as taxas aplicadas passam da categoria da "comparticipação social" para o "assalto";
2) Quando há evidências de "má gestão" do dinheiro dos contribuintes

Mr.Tuga 09.12.2016

Haja bimbos iletrados para sustentar esta corja parasita do fuitiboili e o seus asnos chutadores de boila...

pub