Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 29 de novembro de 2017 às 21:15

O fundo que segura Portugal no euro 

A Comissão Europeia quer corrigir algumas deficiências da arquitectura do euro e com o aval do Presidente francês vai criar um fundo monetário europeu, que poderá ser uma preciosa bóia de salvação para os Estados que fiquem à beira da ruptura financeira. Um seguro útil para Portugal.

Há ventos favoráveis a soprar da Europa, apesar da indefinição governativa no país mais poderoso da União, a  Alemanha. A proposta da Comissão Europeia, com alavancagem do Presidente francês, de criar um fundo monetário europeu é uma iniciativa que pode consolidar o euro e ser um seguro para países mais frágeis da moeda única como Portugal. O novo fundo pode  evitar situações de colapso como a que passámos em 2011.

 

Segundo informação divulgada pelo El País o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) será transformado num novo fundo destinado a salvaguardar a estabilidade financeira na Europa. Será esta instituição europeia a ficar encarregada de resgatar um Estado quando tiver problemas nos mercados com uma linha de crédito barato a troco de ajustes e reformas, ou seja, com o papel que teve a troika em Portugal, eventualmente com juros mais baratos e um ajustamento mais suave.

 

O poder de fogo deste mecanismo deverá ser os 500 mil milhões de euros que  tem actualmente o MEE, acrescidos de 20%, ou seja, um total de 600 mil milhões.

 

Para Portugal é  uma almofada importante, porque apesar de agora as coisas correrem bem, este país continuará muito dependente de condições precárias para manter a sua estabilidade económica.

 

Ainda por cima o BCE vai deixar gradualmente de ter uma almofada tão protectora.

 

O Fundo Monetário se for orientado para o crescimento da economia europeia pode ser um instrumento poderoso para garantir estabilidade e criação de riqueza e de empregos.

 

Mas não podemos viver à conta do guarda-chuva europeu. Neste país que só reza por Santa Bárbara quando ouve a trovoada, não há uma grande tradição de pensar a prazo para evitar as tragédias que se tornam habituais. Na prática, quase todos os governos só pensam mesmo em ganhar eleições e evitam situações eventualmente incómodas para os resultados eleitorais, empurrando os problemas com a barriga, misturando tudo com competentes e eficazes campanhas de propaganda.

O problema é quando se chega a uma situação de ruptura financeira, o que no caso português já aconteceu três vezes em menos de 40 anos. Na arquitectura do novo fundo, há um direito de veto exclusivo para os três maiores países da União: Alemanha, França e Itália. Portugal se precisar de um resgate não passará de um protectorado tutelado pelo directório que manda na Europa.

 

Saldo positivo: Belmiro De Azevedo

 

Construiu um império. Foi um "self-made man", mas de uma estirpe rara em Portugal, um engenheiro com boa formação académica que pega num grupo industrial de aglomerados de madeira e transforma num império de centros comerciais. Gestor com vocação industrial fez fortuna na distribuição e teve o mérito de ser independente do Estado. Dos grandes grupos surgidos nos últimos 40 anos, a Sonae foi o mais distante do poder político. Deixa um legado importante.  

 

Saldo negativo: campanha de propaganda

 

A sessão de perguntas ao Governo, em Aveiro, feita por cidadãos que receberam vales de compras, acabou por ser um tiro no pé. Nada de novo e o ruído gerado pela iniciativa acabou por penalizar a imagem do Executivo. O primeiro-ministro nem precisava destas campanhas de propaganda. Apesar das tragédias dos fogos e de alguns desastres e erros de "casting", a vida até corre bem a António Costa. O Governo está seguro, apesar dos sinais de divórcio na geringonça.

 

Algo completamente diferente: O adeus do imperador de futebol Júlio César   

 

Júlio César, um guarda-redes que foi dos melhores do mundo, disse adeus ao Benfica. Sai porque já não tinha motivação para ser suplente. É assim a vida, mas nesta hora da despedida dos relvados portugueses, importa realçar a qualidade de um profissional que honrou a Liga portuguesa. Tal como o seu rival Iker Casillas, a sofrer as agruras do banco do FC Porto, mas que ostenta todos os títulos importantes. Honra às grandes estrelas que deixam saudades, mas o futebol continua com novas promessas. Faz parte da vida e da magia deste desporto.  

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Isto tudo porque há um grupo de portugueses que executa a extorsão e a pilhagem de recursos que não são seus e um grupo de portugueses que é extorquido e pilhado pelo primeiro.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Isto tudo porque há um grupo de portugueses que executa a extorsão e a pilhagem de recursos que não são seus e um grupo de portugueses que é extorquido e pilhado pelo primeiro.

pub