Fernando  Sobral
Fernando Sobral 11 de maio de 2017 às 20:50

O futuro do trabalho. Haverá?

O trabalho e o emprego tal como o viram gerações passadas desapareceu. Fruto da tecnologia, da globalização, das chamadas "reformas" e de conceitos ideológicos que criaram esta lógica de pretensa liberdade de escolha de cada indivíduo.

Tudo isto tem contribuído para o fim anunciado do Estado social e dos sistemas de pensões como os conhecemos desde o pós-guerra. Não há sociedades imutáveis. E deixou de haver empregos para toda a vida. As altas taxas de desemprego vão continuar ligadas a um nivelamento por baixo de rendimentos. Tudo isso também coloca em causa a sociedade de consumo como a conhecemos. Por isso resulta quase patético ver como políticos com responsabilidades vão continuando a não enfrentar este problema com seriedade.

 

Há dias, o milionário Carlos Slim deu uma entrevista ao "Clarin", de Buenos Aires, em que dava achegas muito interessantes para o tema. Dizia ele: "Há uma mudança civilizacional acelerada e os governos devem conduzi-la. Mas não o fazem e por isso começa a haver reacções fundamentalistas, populistas e racistas. O desenvolvimento económico vai permitir que as pessoas trabalhem menos tempo. Propus que se trabalhe três dias por semana em jornadas de 11 horas e que as pessoas se reformem aos 75 anos, porque cresceu a esperança de vida. Isso faz parte de um plano para promover e capacitar as pessoas para novas actividades como o turismo, o entretenimento, a educação, a saúde, que vão implicar mais emprego. Por aí passam os novos negócios, aplicando as novas tecnologias em actividades tradicionais. Que é a Uber, senão tecnologia de ponta num negócio velho como os táxis?" As ideias de Slim deveriam merecer reflexão, embora se coloquem questões complicadas: será possível criar empregos em actividades paralelas que correspondam aos que se vão perder com a robotização de muitas profissões na área industrial e de serviços? E como se garantirá rendimentos decentes para quem não vai conseguir ter trabalho?

 

Cruzemos isso com o que escrevia Gillian Tett no "Financial Times": ela recordava que Michael Milken, o poderoso ex-rei das "junk bonds" que se tornou filantropo, dissera numa conferência que era um erro pensar que eram as grandes empresas (como a Walmart, a GM ou a IBM) os maiores empregadores nos EUA. Excepto a Walmart, as oito seguintes da lista eram entidades de "equity" privadas, como a Carlyle, a KKR ou a Blackstone. Só a Carlyle deveria ter cerca de 700 mil empregados no seu catálogo de empresas. Ou seja toda a lógica de empregos de que Donald Trump fala parece ser uma redundância. Estamos a viver tempos muito estranhos e no campo do trabalho eles parecem ainda menos transparentes. Seja como for todos temos a certeza que o valor do trabalho dissolveu-se e que hoje, sobretudo nas zonas periféricas (como Portugal), as "reformas" conduziram o contrato social que assentava numa relação estável entre empregadores e empregados a um beco com poucas saídas. E onde o Estado está carenciado de respostas e de meios para fazer face a estes novos desafios. Que merecem ser discutidos com seriedade. 

A sua opinião38
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Hoje em dia não existem zonas periféricas. O que existe, nas zonas que gostam de se desculpabilizar tentando passar a imagem mendicante de que são periféricas, é muito sobreemprego caro, desnecessário e injustificável e pouco capital com grande incorporação de tecnologia económica e eficiente que poupe nesse factor trabalho e faça disparar a produtividade e a criação de valor para níveis superiores. O oposto das economias verdadeiramente desenvolvidas.

comentários mais recentes
ESPECTACULO Há 1 semana

Numa época em que se produz como nunca graças à evolução científica, em que os lucros se tornam escandalosamente pornográficos, voltam os fantasmas da exploração desenfreada dos séculos passados. Agora sem a ameaça do comunismo ou do que ele prometia, cada vez menos gente controla tudo em todo o mundo. A ganância torna-se viciante e esquecem as lições do passado. A continuar assim vai haver mais cedo que tarde novas revoltas baseados em novas filosofias ou filosofias antigas "convertidas". O problema é que as armas também evoluíram e ameaçam toda a humanidade.

Anónimo Há 1 semana

"We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

Anónimo Há 1 semana

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

Anónimo Há 1 semana

As grandes empresas com presença global estão a mover-se para o digital em todo o mundo. E muitos Estados também. Menos Portugal, claro. Não tem grandes empresas globais e o Estado está capturado de tal forma que mesmo com a introdução do digital os sindicatos não permitem que se saia da era do analógico.

ver mais comentários