Fernando  Sobral
Fernando Sobral 24 de Outubro de 2016 às 19:03

O mágico de Oz e a CGD

O mágico de Oz vive de equívocos: foi levado por um balão desgovernado para ali, onde finge ser um poderoso feiticeiro a partir dos múltiplos truques que cria.

Assim governa Oz, até que surge a menina Dorothy. Para realizar o sonho desta, regressar a casa, o mágico tem de regressar ao mundo real. E deixar-se de ilusões. É este o dilema actual de Passos Coelho. Esperou durante um ano, de calculadora na mão, que o Governo caísse, por acção externa ou interna. Não desabou porque quer a política, quer a economia, não são ciências exactas. Durante todo esse tempo as intervenções importantes de Passos Coelho podem ser sintetizadas em sete entradas de Twitter e ainda sobram caracteres. Um ano depois, mudou de táctica. Agora fala sobre tudo. Especialmente o que tem que ver com economia e finanças. É uma achega para o debate nacional. Mas Portugal precisava de um PSD mais centrado, mais acutilante e mais poderoso.

O novo cisma de Passos Coelho são os salários dos administradores da CGD. É um tema que aquece o sangue a qualquer português, especialmente nestes anos de austeridade. Passos parece ser sensato, coisa que o Governo não foi: ordenados destes precisam de explicações políticas transparentes. Sob pena de parecerem, aos olhos dos portugueses, um exercício de novo-riquismo. A questão é que Passos Coelho dispara mais longe: quer acertar não num pombo, mas num bando de pássaros. Ou seja, na recapitalização urgente da CGD. E aí espalha-se ao comprido, porque o chumbo da carabina acerta nos seus pés. O Governo de Passos Coelho empurrou com a barriga problemas como o do Banif e da CGD. Que tinham de rebentar, mais dia, menos dia. Aqui termina a magia do feiticeiro de Oz. Ou de Passos Coelho. O líder do PSD quer criar um grande movimento nacional contra um salário. O problema é que acerta no futuro da CGD, aquela entidade que um dia queria privatizar. Talvez devesse escutar Marcelo Rebelo de Sousa. Que, sensatamente, disse ao Governo que os salários deveriam ter que ver com os resultados.

Grande repórter

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Triste ver comentários onde se acha que existe direita em Portugal, vivendo fora vemos como a esquerda nao tem noção do que faz nem do que diz, nem tao pouco do meio onde se insere.

Uma empresa nos EUA factura por ano o equivalente ao PIB de Portugal apenas com 200.000 pessoas, isto e' produtividade, nao tem a haver com o que se trabalha, mas sim com a riqueza que se gera vs o custo de trabalho.

Ja agora existe tambem uma tambem com facturação gigante na Holanda, pais de area similar a Portugal

Anónimo Há 1 semana

Triste ver comentários onde se acha que existe direita em Portugal, vivendo fora vemos como a esquerda nao tem noção do que faz nem do que diz, nem tao pouco do meio onde se insere.

Uma empresa nos EUA factura por ano o equivalente ao PIB de Portugal apenas com 200.000 pessoas, isto e' produtividade, nao tem a haver com o que se trabalha, mas sim com a riqueza que se gera vs o custo de trabalho.

Ja agora existe tambem uma tambem com facturação gigante na Holanda, pais de area similar a Portugal

Anónimo Há 1 semana

Triste ver comentários onde se acha que existe direita em Portugal, vivendo fora vemos como a esquerda nao tem noção do que faz nem do que diz, nem tao pouco do meio onde se insere.

Uma empresa nos EUA factura por ano o equivalente ao PIB de Portugal apenas com 200.000 pessoas, isto e' produtividade, nao tem a haver com o que se trabalha, mas sim com a riqueza que se gera vs o custo de trabalho.

Ja agora existe tambem uma tambem com facturação gigante na Holanda, pais de area similar a Portugal