Rui Barroso
Rui Barroso 30 de agosto de 2017 às 19:40

O mistério do estatuto anti-míssil do iene nos mercados

O iene foi um dos refúgios dos investidores após um míssil norte-coreano ter sobrevoado o Japão. Alguns analistas têm referido que esse comportamento não faz sentido, dadas as consequências que o Japão poderá enfrentar se houver um conflito na região.

Mas há especialistas a acreditar que o iene é um refúgio mesmo que a tensão com a Coreia do Norte aumente. A explicação pode estar nos activos externos detidos por entidades japonesas. Caso a situação se complique, o valor investido nesses activos poderá ser repatriado, dando suporte ao iene, segundo a Bloomberg. Além disso, em crises internas no passado a moeda até valorizou. No terramoto e no tsunami de 2011, por exemplo, as seguradoras tiveram de repatriar fundos, o que deu força ao iene, para fazer face aos estragos causados. Mas a explicação pode estar num outro factor. Como o Japão tem dos juros mais baixos do mundo, os investidores têm-se financiado em ienes para investir em geografias com juros mais altos. Mas com o regresso da aversão ao risco, essas posições são desfeitas, o que obriga à compra de ienes para as fechar. Há explicações para todos os gostos. Mas no mercado há quem esteja convencido de que estas subidas do iene não passam de inércia dos investidores habituados a procurarem a divisa em tempos de turbulência.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar