Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 15 de setembro de 2010 às 12:00

O monumental erro de Passos Coelho

O tempo começa a mostrar que a apresentação da proposta de revisão constitucional do PSD foi o maior erro que Passos Coelho já cometeu desde que chegou à presidência do PSD: precipitou a queda do PSD nas sondagens (José Sócrates aproveitou a deixa para "esquerdizar" o partido, fazendo tábua rasa dos últimos cinco anos, e encostar o PSD à cartilha liberal) e acentuou a clivagem ideológica entre os dois principais partidos do arco do poder.
Ora essa clivagem não podia acontecer num momento pior para o país: PS e PSD precisavam de estar, agora, concentrados na discussão de questões técnicas que permitam ao país ter um orçamento de Estado credível para 2011 em vez de estarem a atirar lama ideológica um para outro.

Como um mal nunca vem só, as consequências prometem não ficar por aqui e alastrar à campanha presidencial. Manuel Alegre, no fim-de-semana, deu o mote ao dizer que não vai deixar que nenhum partido acabe "com a escola, a saúde ou a segurança social públicas".

A jogada é óbvia: colar Cavaco às propostas (supostamente radicais) do PSD, tentando obrigá-lo a antecipar a entrada na contenda presidencial. Seja qual for a reacção de Cavaco (que nunca foi um liberal, verdade seja dita), o importante é perceber os efeitos do erro de Passos Coelho para o país: a focalização no debate ideológico vai tirar a serenidade para se debaterem as medidas que Portugal precisa de tomar para não acabar como a Grécia. E o tempo (e a paciência dos mercados e dos nossos parceiros do Euro) vai escasseando.

A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
carlos.gaspar Há 5 dias

Oespanhol Há 5 dias

O Passos Coelho é um incapaz e os que andam à roda dele ou são indesejados, mal vistos ou incompetentes. Num momento em que era normal haver alternância e ir para lá outro, aparece este tipo que não se percebe o que quer, nem quando quer. E já anda nisto há anos o que demonstra ser um "atado".

Oespanhol Há 5 dias

O Passos Coelho é um incapaz e os que andam à roda dele ou são indesejados, mal vistos ou incompetentes. Num momento em que era normal haver alternância e ir para lá outro, aparece este tipo que não se percebe o que quer, nem quando quer. E já anda nisto há anos o que demonstra ser um "atado".

dis aliter visum Há 5 dias


Na escola onde trabalho TODAS as turmas B1, B2 e B3 do Curso Novas Oportunidades ( equivalentes ao 1º, 2º e 3ª ciclos do ensino regular) têm as seguintes disciplinas: Linguagem e Comunicação (língua portuguesa), Inglês, Cidadania e Empregabilidade (estudos sociais), Matemática para a Vida (muito básica), Tecnologia da Informação e Comunicação (Microsoft Office muito básico).

Não recebem a mínima formação em Biologia, Física, Química, Mecânica, Electricidade, Electrónica, … Apesar de ficarem com uma formação reduzidíssima, sem terem obtido conhecimentos ou adquirido competências para exercer qualquer profissão, é conferido aos formandos um certificado equivalente ao 9º ano.

Um curso com estas características é digno de elogio?
Só se for pelos professores que trabalham nesse curso porque têm uma redução de horário de 33% e não têm de fazer reuniões de avaliação trimestrais para preencher actas e pautas.

ver mais comentários