André  Veríssimo
André Veríssimo 20 de março de 2017 às 09:53

O orçamento de guerra de Donald Trump

O muito incompleto orçamento federal apresentado por Donald Trump é fiel à retórica da campanha. Está lá o corte brutal (30%) na Agência de Protecção Ambiental, instrumental no esforço de combate ao aquecimento global, e nos apoios à pobreza, incluindo a saúde (Obamacare).

Por outro lado há um aumento significativo do dinheiro da Defesa, para "tornar a América de novo grandiosa". E cortes profundos na diplomacia e ajuda externa, onde se incluem as Nações Unidas, porque este é o tempo da "América primeiro".

Paul Krugman, economista de esquerda, vê no orçamento "a visão do governo e do papel que a direita tem vindo a vender há décadas. Nesta visão, a maioria dos gastos governamentais é um completo desperdício, que não traz nada de bom para ninguém. O mesmo é válido para a regulamentação." No New York Times nota a contradição: "Fora da Defesa, [o orçamento federal] é dominado pela Segurança Social, Medicare e Medicaid - tudo programas que são cruciais para dezenas de milhões de americanos, muitos deles brancos da classe trabalhadora, que estão na base do apoio a Trump." Programas onde Trump propõe cortes draconianos.

Edward Luce escreve no Financial Times que "se houvesse a mais pequena hipótese de o 'orçamento descarnado' de Donald Trump ver a luz do dia, Washington mudaria de forma dramática. A diplomacia americana estaria perante uma evisceração". Felizmente, "quase nada disto, à excepção de algum aumento para a Defesa, deverá passar no Congresso".

"Se não tivermos diplomatas competentes para ajudar a prevenir ou mitigar conflitos, isso aumentará o fardo que recai sobre os nossos militares, que já sofreram imensamente com as insensatas guerras do Iraque e Afeganistão", antecipa William D. Hartung no NYT. O secretário de Estado, Rex Tillerson, viajou sexta-feira até à Coreia do Sul para dizer que a "paciência estratégica" para como a Coreia do Norte acabou e que a acção militar é "uma opção". Aí está a nova ordem.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub