Fernando  Sobral
Fernando Sobral 08 de novembro de 2017 às 20:02

O país dos Mínimos

Ficamos muitas vezes a pensar que são os Mínimos que governam os destinos de Portugal. Que aqueles seres amarelos, com forma de comprimido, que foram criados para ser o exército sujo do vilão Gru, o Maldisposto, tomaram conta do país.

Tornando-nos um país de Mínimos. Poderia ser divertido, como nos filmes, se não existisse um lado negro nesta comédia. Como no segundo filme da série, em que o doutor Nefario injecta Mínimos raptados com um soro que os transforma de dóceis em agressivos. E é aqui que os divertidos Mínimos fazem mal a toda a sociedade. O Conselho de Finanças Públicas, que para alguns é a versão portuguesa da má-disposição de Gru, já veio dizer que o que o Governo fez no OE foi "usar a ambiguidade" das regras europeias, para as cumprir "apenas nos mínimos indispensáveis". Ou seja, o Governo está a usar os Mínimos ao seu serviço, como homens-toupeira que escondem o esbanjar de dinheiro público em salários e gastos excessivos. O CFP, já se sabe, é pelo Estado mínimo e gerido com forretice militante.

 

Mas, às vezes, esta defesa do mínimo denominador de vida (a pura sobrevivência) choca com a necessidade de dinheiro para que os serviços funcionem. O caso vergonhoso da contaminação da legionela no São Francisco Xavier mostra o que é o resultado de cortes sucessivos na segurança hospitalar. Poderia dar outros exemplos do Estado mínimo: num hospital que conheço, frequentado por doentes crónicos e permeáveis, as análises são feitas num pré-fabricado. As portas destes só abrem às oito horas, pelo que se junta cá fora, ao sol ou à chuva, uma fila à espera de vez. Como desde a austeridade só há metade dos analistas, os utentes vão para ali para ver se esperam menos de duas horas pela análise. Sendo doentes com menos imunidade, estão sujeitos mais facilmente a ficar doentes com uma situação destas. Quais são os "mínimos indispensáveis" num caso como este? Somos um sítio de Mínimos. Temos de conviver com isso. Mas também por isso é que às vezes não há paciência para os enteados de Gru.

 

Grande repórter

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 1 semana

Certo!

E somos os "máximos" em TRAMPA INUTIL E BANAL com chutadores boila e seLIXOão e FPFuitbois....

pub