Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 13 de dezembro de 2017 às 20:30

O pedido de Natal dos investidores

El-Eriam realça mesmo que é preciso que os bancos centrais coordenem as suas estratégias, para manter a estabilidade financeira. Ano novo, desafios novos, mas com os mesmos actores.

Depois de um ano de recordes nas bolsas mundiais, as atenções voltam-se para 2018. Mas, com os ganhos fáceis já realizados, as empresas precisam agora de comprovar que os seus fundamentais estão, de facto, a melhorar e justificam os elevados níveis a que as avaliações transaccionam. E este poderia muito bem ser o desejo de Natal dos investidores. Numa coluna de opinião publicada no MarketWatch, Mohamed El-Eriam argumenta que se os investidores escrevessem uma carta ao Pai Natal iriam pedir que se mantivesse, no próximo ano, a combinação pouco comum de factores que dominou a negociação este ano, como volatilidade de mercado demasiado baixa, avaliações crescentes dos activos financeiros e a promessa de novas oportunidades. Mas, tal como alerta o economista-chefe da Allianz Global Investors, antes de fazerem a sua lista de pedidos, os investidores devem considerar riscos de longo prazo, nomeadamente num momento em que começam a ser dados passos no sentido da normalização da política monetária. El-Eriam realça mesmo que é preciso que os bancos centrais coordenem as suas estratégias, para manter a estabilidade financeira. Ano novo, desafios novos, mas com os mesmos actores.

 

Jornalista

pub